SEJAM MUITO BEM VINDOS A ESTE BLOG!--------ENA!-- TANTOS LEITORES DO MEU BLOG QUASE DIÁRIO! ---ESTA FOTO É UMA VISTA AÉREA DA MINHA TERRA,-TABUAÇO! UM ABRAÇO PARA CADA UM DE VÓS! -ANDRÉ MOA-

domingo, 2 de agosto de 2009




ACELGA PARA ANIMAIS

Nunca tal houvera ouvido, confesso. Acelga!?
A Maria Teresa, pelos vistos sim, tanto que comprara umas folhas dessa planta hortense da família das Quenopodiáceas. E já deram jeito.
Todos os dias, à merenda, bebo uma boa caneca de sumo de couve, de preferência galega ou portuguesa, â mistura com outros mimos da horta (cenoura, salsa, beterraba,,,), limão e meia maçã. Ontem, porém, quando foi ao frigorífico por umas folhas verdes de couve, reparou que tinham acabado. Não havia couve, mas havia umas folhas de acelga tão verdes ou mais que a de couve. E toca de as triturar na centrifugadora até largar todo o suco. E lá emborquei eu o costumado sumo verde, hoje à base de acelga.
Findo o repasto, a minha curiosidade levou-me a consultar o dicionário. Cá está ela: Acelga, s. f. (do ár. as-aselqâ). Planta hortense da família das Quenopodiáceas (Beta vulgaris, Lin., B cycla, Lin.), cuja raiz se utiliza na alimentação dos homens e as folhas na dos animais.
Li, embatoquei, enrolei, ruminei, regurgitei, mas não vomitei, sinal de que o que tomara era adequado, totalmente apropriado para este grande animal que eu sou (grande ou alto? Um metro e oitenta de altura, logo…), para este alto animal que isto escreve.
Com que então raiz para os homens e folha para os animais! Boa-vai-ela! Quantos furos estarei eu abaixo de homem? E quantos acima de cão, que é animal carnívoro e não consta que deguste nem raiz nem folha de acelga?
Um pouco agastado com o consultado Grande Dicionário da Língua Portuguesa do conceituado José Pedro Machado – Sociedade de Língua Portuguesa – dei por mim a folhear o primeiro volume do Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea – Academia das Ciências de Lisboa – que até traz bué e tudo, e valeu a pena, que fiquei com o meu ego um tanto menos esfarrapado, com a minha auto-estima menos por terra. Acelga. Planta quenopodiácea hortense, de folhas largas, semelhante à beterraba, mas de raiz mais delgada, utilizada na alimentação. Esta convém-me mais. Não distingue raiz de folha, a acelga toda ela serve para a alimentação, e não entra em discriminações zoológicas. Animal sim, mas muito homem. Animal, porque homem; homem porque animal racional, porque mamífero, da ordem dos primatas, dotado de inteligência (alguma terei) e da faculdade de linguagem. Língua e linguagem não me faltam. Posso ser um fala-barato, mas que falo, falo. E alinhavo umas palavras também. E até sei que a língua é a minha pátria. E sei que esta frase não é minha, mas do Fernando Pessoa (ou do Bernardo Soares, o que para o caso vem a dar no mesmo), palavras dele que faço muito minhas porque muito as aprecio e sinto.
Conclusão: pelos vistos posso continuar a sumariar, a sumarizar, a sumar, dito de outra e mais correcta maneira, a beber o sumarento sumo de acelga (desconfio que anda por aqui pleonasmo meio escondido com asneira de fora), sem que com isso coloque a minha reputação de homem em maus lençóis ou me caiam os parentes primatas à lama.
Quando muito correrei o risco de me tornar um quenopódio ou um espinafre, que, tal como a bendita acelga, são da família das quenopodiáceas. Isto a acreditar nos dicionários, que eu de tal família, por enquanto, só lhe conheço a textura, o sabor e a prodigiosa capacidade de muscular Popeys para gáudio das Olívias Palito deste mundo.

55 Comentários:

  • Às 3 de agosto de 2009 às 22:27 , Blogger Osvaldo disse...

    Caro irmão;

    Mas que raio vem a ser isso de Acelga?. E um legume?. Mas se é legume porque é que tens que o beber?

    Isso deve ser pior que a pólvora mas se a Teresa diz que é bom, acredito nela.

    Espero que os Chineses não descubram as virtudes da acelga se não, em pouco tempo, não há acelga pra ninguém.

    Um abraço, irmão.
    Osvaldo

     
  • Às 3 de agosto de 2009 às 22:49 , Blogger Andre Moa disse...

    Caro Osvaldo,

    Sim, acelga é um legume, como bem o expermentei desde a boca ao ânus. Até as fezes sairam verdes durante uns dias. Não era preciso tanto, que verde sou eu já há muitos anos por dentro e por fora. Tal como tu. E viva o Sporting Club de Portugal.
    Estou numa de dieta a preceito, em que, à merenda emborco uma caneca de verde (não de vinho verde que bem me saberia com uma boa sandes de presunto, mas de sumo de couve. À falta de couve, embarcou uma acelguinha que me pintou todo de verde. Mas já passou.
    Um grande abraço.
    André Moa

     
  • Às 4 de agosto de 2009 às 11:34 , Blogger Laura disse...

    Ai, quem falou em sandes de presunto, mai'luma malguinha de verde? eu gosto de todos os verdes ou maduros, mas, falando verdade, só o verde me consola...e d elonge alonge. Maus hábitos adquirem-se, e depois é que seria, a laura que já fala pelos cotovelos, metendo combustivel a mais, acho que não pararia...

    Acelgas, costumo apanhar na horta d aminha mãe, que ficma ali a medrar até que alguém as apanhe, a minha mãe detesta-as, eu gosto da couve chinesa, não será a mesmissima coisa? enfim, mudam de nome mas são iguaizinhas.
    Moço Moa, ontem falei em ti, e com quem falei, por acaso dos acasos, seria? conhece um parente teu, e, ela tem o teu livro na estante...enfim...diz que adorou, leu e releu..beijinhos.

     
  • Às 4 de agosto de 2009 às 11:36 , Blogger Laura disse...

    Sagitário de que dia? Eu, 11-12...beijinhos, e a ver se podemos cantar os parabéns e beber um verdinho ou maduro..laura. (eu não deixo que ninguém saiba, e dou-te um golinho, tão pequenino que mal caiba na cova dos dentes...tá?

     
  • Às 4 de agosto de 2009 às 21:35 , Blogger Je Vois la Vie en Vert disse...

    Pois é a Verdinha também estará no encontro de Setembro ! E vai trazer o "verde" dos seus olhos, aquele que a tornou sportinguista... infelizmente está neste momento o Sporting a perder contra o Twente.... :-(
    Então, André, a descobrir couves novas ? E o Osvaldo não conhece este legume ? Chama-se bette e há á venda na Suiça de certeza e até parece-me que vi no outro dia uma conserva deste legume no supermercado Leclerc.
    André, cuidado com o que comes !! Não tenta comer as folhas dos talos da deliciosa ruibarba que são veneno ! Nunca vi cá em Portugal à venda mas nunca se sabe... Osvaldo, ruibarba conheces, não ? Dá para fazer uma deliciosa compota ou tartes ou folhados... Estou a salivar...

    Beijinhos

    Verdinha

     
  • Às 4 de agosto de 2009 às 21:36 , Blogger Je Vois la Vie en Vert disse...

    GOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOAL no último minuto !!!!!

     
  • Às 4 de agosto de 2009 às 22:30 , Blogger Andre Moa disse...

    GOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOLO!
    UF, QUE ALÍVIO!
    Eu que já estava a ficar verde, até respirei fundo.E viva o S.C. de Portugal! E os outros também, que só o S.C. de Portugal a jogar não agradaria a ninguém.Jogaria com quem?
    E vivam as acelgas que são verdes e a couve galega e a couve portuguesa, que verdes são. Sagitário de que dia, cara Laura? Do dia 29 de Novembro. Logo dos primeiros, que são os melhorers a seguir aos do dia 11 de Dezembro. Isto digo eu a deduzir das tuas qualidades.E para SER SIMPÁTICO PARA QUEM TÃO SIMPÁTICA SE TEM MOSTRADO. Acima de tudo é preciso ser sagitário. E verde. E lá vos espero com o verde maduro dos olhos, das vinhas, de Alvalade, de tudo quanto é naturalmente verde.
    Beijinhos
    André Moa

     
  • Às 5 de agosto de 2009 às 23:45 , Anonymous Anónimo disse...

    Acelga? Não conhecia o termo. Fiquei a conhecê-lo há dias num concurso televisivo.
    Então os meus amigos verdes são acelgas?
    O que sabe mal, faz bem. O que arde, também!
    em Setembro posso levar uma camisa encarnada?
    Abraço amigo Moa. Até lá!
    Kim

     
  • Às 6 de agosto de 2009 às 00:22 , Blogger jorge henriques disse...

    Olá amigo André

    Ao longo da vida estamos sempre a aprender ,pois eu tambem nâo conhecia a dita Acelga . Adelia e Amélia tenho ideia de já ter o prazer de conhecer mas Acelga é primeirissima
    Mas como tudo na vida há sempre uma primeira vez estou tentado a conhecer de perto a verdura desconhecida....
    Eu até sou adepto dos verdes (vegetais note-se) hehe em abono da verdade verdadinha tambem um verde tinto ou branco dependendo da temperatura e do acompanhamento tambem fazem parte dos gostos do rapazito hehe
    Faço votos que a dita xaropada esteja a fazer o efeito desejado no entanto julgo que a beterraba devia estar em maioria pois ficaria um suco com uma cor ,como direi mais engraçada hehe quem nâo gosta do encarnado ,dizem que pelo menos 6milhoes nâo é verdade ? hehehe
    Um abraço
    jorge

     
  • Às 6 de agosto de 2009 às 00:25 , Blogger elvira carvalho disse...

    Bom vamos a ver se é desta. É que depois do pc vir da oficina, só por aqui andei umas horitas e foi-se a internet. Ou seja, primeiro tinha internet não tinha pc, e depois vice-versa. Como isto é um casal muito unido um não faz nada sem o outro e daí que eu tenha desaparecido de novo.
    Que texto cheio de humor. Quando era menina minha mãe fazia sopra de acelga.
    Um abraço e tudo de bom,

     
  • Às 6 de agosto de 2009 às 21:50 , Blogger Laura disse...

    Ahhh, simpático para quem simpática se tem mostrado, ó mano Moa, isto é só uma amostra, no real já vais ver a laura tão simples, tadinha dela, mas que te hás-de rir com ela, isso sim..
    Afinal quem é o amigo d aminha amiga é o teu mano o António, fizeram o curso do Yoga do Riso, juntos, ahhhh, mundo pequeno mundo em pinta de isssssss...., que giro e eu a pensar que estava a dar informação de mais um livro de um Poeta, e, pimba, ela já o tinha lido e adorou...
    beijinhos, o tempo parece que nem anda nada... mas, o doce Setembro há-de chegar... laura

     
  • Às 6 de agosto de 2009 às 22:59 , Blogger Andre Moa disse...

    Caro Kim,
    Se pode levar em Setembro a Tabuaço (CORAÇÃO DO DOURO VINHATEIRO)uma camisa encarnada? Claro que sim. Não só pode, como até lha recomendo. É que no encarnado notam-se menos as nódoas do vinho que pode escorregar por dentro e por fora. Por fora é que é um desperdício. E nós os verdes somos ecléticos, tolerantes e sobretudo amigos dos amigos, independentemente da cor com que, por vezes, com mau gosto, se vestem e revestem. Desculpe esta brincadeira, se calhar de mau gosto.
    Um abraço.

    Caro Jorge Henriques

    Não fora o meu estado "lastimável" e propor-lhe-ia já uma troca: eu dava-lhe acelga e você cedia-me uma Adélia ou Amélia, ou Adérita, ou Felismina, ou Gertrudes... eheheheheheeh!
    Não me esqueci de lhe telefonar. Só que tenho estado à espera de melhorar um tudo nada das costas para poder estar sentado, descontraído, durante uma boa conversata consigo. Logo que possa, apito. Tá?
    Abraço

    Cara Elvira, espero que Internet e PC se casem e se dêm bem e não mais se separem, até ao fim dos tempos.
    Acelga para mim, só mesmo como pneu de socorro. Não voltei a provar, que a couve ainda não tornou a faltar. Mas não desgostei. E deu para fazer o texto que provocou os vossos saborosos comentários.E estes sabem-me sempre muito bem. É de ler e chorar por mais.
    Beijinhos.

    Cara Laura, rir faz bem. Di-lo o meu irmão e, por certo, a tua amiga também. e nós, claro. De facto, o mundo é pequeno e Portugal uma doce e ALEGRE ALDEIA.
    Em Setembro é que vai ser, caríssima Laura! O meu estado de saúde não me tem permitido visitar com frequência os blogues dos amigos, mas vou saltar daqui já para o teu, que tive um espírito santo de orelha suisso a dizer-me que por lá anda coisa boa a meu respeito.
    Beijinhos, querida amiga.
    André Moa

     
  • Às 7 de agosto de 2009 às 00:52 , Blogger mariabesuga disse...

    Pois André Moa, rica em fibras, vitaminas A e C, em cálcio e fósforo e ferro, não abusando porque não se deve, compensam-se-nos os interiores...

    Além do sumo pode fazer-se em sopa e alguns outros pratos apetecíveis.

    De resto, mais ou menos animais todos somos e mais ou menos verde de acelga ou de qualquer outra verdura, animais continuaremos...

    Um abraço

    (Comprei há poucos dias o seu livro "Mau tempo no Anal" que estou a ler. Coloquei na barra lateral do meu blog como informação, ou recomendação.)

     
  • Às 8 de agosto de 2009 às 00:42 , Blogger Andre Moa disse...

    Tem razão, cara Maria. Não passamos de animais. Isto não é mau nem bom. É a nossa condição. Mau será quando animais sem o corecto uso da razão.
    Obrigado pela referência ao Mau Tempo no Anal, a que não gosto de chamar de meu, pois ele é de nós todos e para todos.
    Beijinhos.
    André Moa

     
  • Às 9 de agosto de 2009 às 18:29 , Blogger Tony Madureira disse...

    Não conhecia. Sempre aprender!

     
  • Às 9 de agosto de 2009 às 23:35 , Blogger Andre Moa disse...

    É verdade, caro Tony. Aprender até morrer, como diz o povo, do alto da sua sabedoria ancestral.
    Quis entrar no seu blogue dicas, mas não me entendi. tenho muito a aprender, nomeadamente nesta área dos blogues e da informática em geral.
    Um abraço.
    André Moa

     
  • Às 15 de agosto de 2009 às 01:40 , Blogger Andre Moa disse...

    Caríssimas amigas, caros amigos,

    Amanhã parece que vou rumar com a famíia até aos arredores de Sesimbra, por duas ou três semanitas. Razão pela qual, só muito esporadicamente, e não é certo, numa eventual vinda a Lisboa, é que virei aqui ao blogue. Pode ser que assim melhore das costas. espero bem que sim.
    Um abraço para todos.
    André Moa

     
  • Às 22 de agosto de 2009 às 15:02 , Blogger Brancamar disse...

    Olá querido amigo,

    Pois, já vi que depois de eu ter chegado partiu o "menino". Espero que esteja a gozar um magnífico tempo junto da família e cá espero o seu regresso para trocarmos mais impressões. Se entretanto me ler, fica um grande beijinho.
    ATé breve.
    Branca

     
  • Às 5 de setembro de 2009 às 00:16 , Blogger Brancamar disse...

    André passo para saber novidades, mas como não as há deixo beijinhos.

     
  • Às 7 de setembro de 2009 às 20:11 , Blogger Andre Moa disse...

    Caríssimas amigas e caríssimos amigos,

    Só para dizer que regressei à «casa-mãe» com mais dores de costas, mas sempre esperançoso e a reunir forças para ir e estar convosco a Tabuaço nos próximos dias dezanove e vinte.
    Vou tentar dar notícias num novo post que o da Acelga já cheira mal. Apodreceu, foi o que foi. A acelga, claro, que nunca eu nem vós.
    Beijinhos e abraços.
    André Moa

     
  • Às 14 de setembro de 2009 às 17:20 , Blogger Laura disse...

    Moa, Moa e mais Moaaaaaaaa!...
    Rapaz, parece o diabo, de cada vez que estamos a desenrolar o rol das nossas falas, sai a mulheri a chamr-te pra jantááááár ou almoçarrrrr, ó, caramba...Bom, dia tantos de tantos em tal lugar!Ah, como me sinto ditosa por ir conhecer uns e outros...
    Ao casal Ana e Osvaldo, jesus, faltam-me

    Palavras para os descrever
    Palavras para dizer
    Que, almas serenas
    Almas daquelas
    Não se encontram
    Ao virar da esquina
    Nem se fala com elas
    Em surdina !...

    Amei, amei, Moa, amei este casal, estes amigos que me deram tanto amor que ia a rebentar plas costuras... Não sei que te diga, não sei como te dizer, é a verdade, a não ser que;

    são gente como a ti
    gente como a mim
    e mais nem digo...
    gente da nossa gente
    gente que ama e sente
    assim como a gente
    simplesmente !...

    Beijinho a tu, a ti, ao homem que anseio ler, mas, prefiro ler em ti, porque tu serás para mim, um livro aberto, sinto-o...eu leio nas estrelas, e até nas entrelinhas!...
    jis à familia querida..laura.

     
  • Às 17 de setembro de 2009 às 22:36 , Blogger Andre Moa disse...

    Cara «astróloga» Laura,
    Também eu leio, não nas estrelas como tu, mas as estrelas como tu. Amanhã vamos finalmente lermo-nos como merecemos e há muito anseamos.
    Até amanhã.
    Beijinhos.
    A todos os amigos informo que tenho muitas novas para dar, mas não tenho podido, até por razões de computador, fazer novos posts. Qualquer dia será.
    Abraços.
    André Moa

     
  • Às 20 de setembro de 2009 às 23:18 , Blogger Maria disse...

    Caro André:
    Uma das maiores penas de não ir ao encontro a Tabuaço, foi não o ter abraçado. Li o seu livro, está no meu blog. Tenho por si enorme admiração e respeito. Foi impossível agora. Mas eu sei que esse abraço só foi adiado. Pelo Osvaldo, Ana e Laura sei que tudo correu bem. Fica-me a pena de lá não ter estado. Por si e por todos os amigos que muito estimo.
    Espero que não se sinta muito cansado. Feliz, sei que ficou. Eu mesmo de longe, tentei imaginar o que estariam a fazer, senti o cheiro desse Douro que adoro, vi as cores de que ele ainda está vestido.
    Desculpe a minha falta André. O Osvaldo deve ter-lhe explicado a razão.
    Tinha sonhado muito com este encontro e custou-me renunciar a ele. Não podia estar em dois lugares ao mesmo tempo e o meu lugar era aqui, em Lisboa, com o meu irmão.
    Um abraço grande e até um dia.

     
  • Às 21 de setembro de 2009 às 21:52 , Blogger Je Vois la Vie en Vert disse...

    Caro amigo,

    O Leonel e eu gostamos imenso de te conhecer pessoalmente e com todas as prendas que nos deixaste, agora estás presente na nossa casa
    toda !
    Adorei cantar contigo e espero que estes momentos de amizade, de alegria e de divertimento se repitam !

    Beijinhos verdinhos da tua amiga

    Verdinha

     
  • Às 21 de setembro de 2009 às 22:00 , Blogger mariabesuga disse...

    Ao que parece o encontro correu bem de abraços e sorrisos e cansaços e tudo que tem um encontro desta natureza que exige 100% de dedicação para não se perder nada.

    Tive pena de não ter estado mas como penas têm as galinhas ora bolas que se não foi desta será numa próxima. Gostaria de ter estado para conhecê-lo pessoalmente. Também aos outros participantes pois então...

    Desejo que se sinta bem e em condição de novos escritos.

    Um abraço André Moa.

     
  • Às 21 de setembro de 2009 às 23:20 , Blogger Andre Moa disse...

    Cara Maria,
    também eu tive pena de que não tenha podido ir, mas não faltarão ocasiões. Não há que perdoar nada, apenas lamentar.
    Cara Verdinha: agora, depois de ter convivido e vos ter conhecido pessoalmente(a ti, ao Leonel e aos outros presentes)tenho muitas e boas razões acrescidas para continuar a «voir la vie en vert.»
    Estou cansado, mas feliz. Com forças renovadas para continuar a viver com prazer, alegria e esperança.
    Cara Maria Besuga,
    Nem sabe o que perdeu. Não tanto por mim, é evidente (eu estou melhor auto-retratado no livro do que sou ao natural) mas pelos outros do grupo. Fa-bu-lo-sos. Todos. Correu, de facto, tudo muitíssimo bem. Passadas umas horas de convívio, parecia que já nos conhecíamos todos há muitos e bons anos. Como se já fôramos amigos da velha guarda.
    Vou descansar um pouco, que eu cheguei apenas hoje à tardinha. Picadinho que nem salsa, mas feliz que nem uma criança alegre e contente.
    Abreijos.
    André Moa

     
  • Às 22 de setembro de 2009 às 13:05 , Blogger Laura disse...

    Bom, depois de me ver reduzida a uma acelga (dizes no blogue do Kim que sou uma força da natureza, e, vi-me que nem acelga, ehhhhh ) mas, meu querido amigo, meu querido Moa, por mais nomes que tenhas,serás sempre o Rio da Moa, o rio que nos levou em águas puras, nos sentimentos fraternos que todos soubemos tão bem expressar, eu de uma forma, outros de outra e cada um nós, fizemos deste encontro, algo de tão belo e tão puro que jamais esqueceremos, tantos anos possamos viver, ainda!...
    Adorei conhecer o Homem, o Amigo, a Alma do guerreiro da Luz que eu gosto de descobrir nos Seres com quem reparto escritas e vivências!...
    E tu sabes que eu nada mais sou do que uma nina iletrada, quase, mas, Auto didacta à custa de me formar nos livros e caminhos da vida, e, surda ainda por cima, para amenizar o quadro. No entanto, sou e serei sempre assim, digam o que disserem!...
    Abraços e beijinhos da laura, a nina das resteas.

     
  • Às 22 de setembro de 2009 às 23:46 , Blogger Andre Moa disse...

    Cara Laura,
    Qual acelga, qual carapuça! Tu és uma força viva da natureza, humaníssima, uma alma irradiante de luz e amizade. Conhecer-te foi para mim um enriquecimento incomensurável e uma felicidade extra. Grande mulher és tu, bem albergada no metro e pouco da tua aparência.
    E mais não digo, que já é tarde, estou cansado e não quero chorar a esta hora de saudades que já sinto de ti e de todo o grupo.
    Beijinhos
    André Moa

     
  • Às 23 de setembro de 2009 às 01:09 , Blogger Laura disse...

    Ahhh,
    Esperei por ti no meu blogue, para leres o relato tão sisudo... mas tão verdadeiro, todos dizem; deixemos a trabalheira para a laurinha, ela sabe relatar, e, com virgulas a mais ou a menos, pontos por pespontos, onde calharem, lá está a nossa festa cigana que durou 3 dias...
    E, liguei á ana, estivesteis juntos, mais uma vez...sorte linda a vossa. E o meu metro e meio é pouco para o muito que sinto dentro da alma, o muito de amor que há em mim...
    Beijinhos ao meu par dançante, na rua sob as estrelas e as cantorias dos amigos, mesmo desafinados, ehhhhhh, beijinhos e obrigada pelos fados cantados, lidos em teus lábios, pois só assim o entendo... E, obrigada pelo amor amizade que nasceu entre nós e jamais se perderá, pelos caminhos da vida..um xi enorme, apertado, á tua querida esposa e netinho... laura.

     
  • Às 23 de setembro de 2009 às 17:21 , Blogger laura disse...

    Bom, estou apenas à tua espera para ires ver o resteas, mudo de post em menos de dois dias e o tempo escoa..Moa, Moa!...espero que estejas bom..beijinhos da laura.

     
  • Às 23 de setembro de 2009 às 22:45 , Blogger laura disse...

    Quantas nozes puseste na taça hoje? Ai, moço, como vais? marcamos novo encontro? ehhhh, a pariga de Braga, amou, adorou e já nem quer mais nada, só passeio...Beijinhos a todos, laura.

     
  • Às 24 de setembro de 2009 às 22:23 , Blogger José Guilhereme disse...

    Cara Laura, eu estou bem. Quatro meias nozes dá duas nozes, né? Pois então são duas nozes que ponho na paparoca matinal. Desculpa, mas eu não tenho pedalada para ti. E ainda não recuperei do cansaço. e tenho tanta coisa acumulada à minha espera! Mas devagar se vai ao longe e eu lá chegarei.
    Abreijos.
    Moa

     
  • Às 24 de setembro de 2009 às 23:11 , Blogger laura disse...

    Ahhh pedalada? onde tá a bicicleta? hum, eu acompanho-te a passos pequeninos... se na pode slá ir, venho eu trazer-te o meu jornal do dia de anteontem, ora pois...vai lendo e descansando a vista, o corpo...Beijinhos.

     
  • Às 24 de setembro de 2009 às 23:14 , Blogger laura disse...

    Qual brevemente! em Tabuaço !...

    Para quem já estava farta, fartinha de estar em casa, onde nada de novo acontece, e para o passeio que estava programado, passeio assim a modos de casamento cigano... a festarola para mim, durou 5 dias!... fui um antes e dois depois, dos restantes! Ora, deve ser o tal castigo de que falam, ah, nunca me senti tão feliz, tão amada, e mimada pelo pessoal todo...(A Ana e Osvaldo, ainda queriam que ficasse até ao fim de semana, amanhã iriamos ao Museu José Malhoa, nas Caldas que até gostaria de ir lá, mas, tenho pena da Neide, com as coisas da casa e o trabalho, e como diz o Osvaldo; nina, nem penses que te livras de nós! agora tens de arcar connosco todos os anos, ah, já me convidaram para ir com eles e mais uma nina dos blogues e o marido, e o cozinheiro do Tábua'Daço, à terra onde se tornou famosa a Valsa de Straus , longe lá longe, e, quem sabe!)
    Assim, almas amigas, (todos os que fizeram parte do encontro!) sinto que já fizesteis parte do meu passado! fazeis agora do presente, e o futuro, Deus o sabe!...

    Ana e Osvaldo. Acreditem que não há palavras para definir estes dois maravilhosos Seres de LUZ!... basta que se diga que aquilo que eu tinha definido como as pessoas que eram, era tal e qual e assim!... A própria família dela que vive lá, irmãos, ai o irmão dela que fez de cicerone até um certo ponto do caminho, que afazeres inadiáveis, não o deixaram prosseguir... esse Senhor é que sabia o que dizia, a relatar a verdadeira história de cada local! bebi-lhe as palavras! os sobrinhos, Jesus, acreditem em mim, é tudo gente de outros mundos... pouco têm de terrenos!

     
  • Às 24 de setembro de 2009 às 23:17 , Blogger laura disse...

    A primeira foi a verdinha, na sexta de tarde, tal e qual a imaginava, a loirinha Belga, a nina da simpatia e do coração transbordante de ternura e amor... ah, que marido, que marido conversador, querido, gente genuína,gente que espalha amor, sinceridade, e, bem, agora que já passou, ficaram saudade!... nesse dia fizemos jantar de churrascada, sobremesas lindas, já nem sei quantos eramos. Ah, verdinha, vá que entendi e entendeste-me, o nosso linguajar já faz parte da lingua Universal... e que tal aquele passeio quase agendado plo Osvaldo e Ana? Valsamos?

    Mais tarde veio o André Moa, na foto com a nina das resteas! autor do Livro Mau tampo no Anal... Bóina à janita salomé, mais o mano dele, o António que já conhecia de ouvir falar, pois foi colega de Curso, de uma grande amiga minha,a Majo, ahhh, apanhei-te António!... mas que rir com este moço amigo! queria a todo o custo, fazer-me crer que eu nem sou gorda, que sou linda, enfim, gostos nem se discutem! o Kim chegou mais à noite, acho que mudou de estrada, enfim...o Kim mai'la maquineta dele de fotos e filmes, é que quando dei conta, estava na cozinha a fritar os pasteis de bacalhau, e, só passado um pedaço sinto que estou a ser observada e, lá estava o homem da maquineta, escondidinho atrás da parede, e, filmou, espero que os pateis tenham saído bem no filme... e as carradas de amor que este homem derrocha, ele a Luisa, o filho...

    Desculpa a minha nuvem na foto, Moa, é que não dá para verem a beleza estonteante da nina das resteas, se é que me entendes!..

    O Moa, Fadista de garra, Escritor, Poeta, Advogado, Juiz e sei lá que mais, rapaz, daqui nada precisas de mais que uma bengala para te encostares, tão pesado és em titulos!... cantou para a nina das resteas, para ela entender, ah, Moa, Moa, deves ter visto a nina a correr para a cozinha!... era cada fado que me enchi de botar lágrimas. Moa, meu querido amigo, ofereceste-me a amizade que já nasceu há um tempinho através de emails e do blogue, fizemos parte da vida um do outro, desde aquele dia. Espero que nos possamos ver muitas vezes, entre risos e lágrimas, sim... que, se o riso mostra a alegria e a felicidade, não é menos certo que a dor é o apanágio de muitos, pois o sofrer transporta-nos a mundos que poucos conhecem, e elevam-nos para outros ainda melhores!... se a muitos a dor transforma em revoltas, a nós transformou-nos em guerreiros de Amor! Adorei ser a tua márida enquanto tu eras o meu márido! Namasté! oh, apenas faziamos o teu pequeno almoço, juntos... e caminhamos de braço dado (que bom andar de braço dado plas ruas, com um Ser maravilhoso como tu)
    Que ternura nos vossos relatos de meninos ! assim como é a terra do Osvaldo, esse Osvaldo tão amigo que como já disse, é um Ser diferente da maioria, é alguém que se preocupa com os outros, alguém que ama a sua terra também!... e se preocupa com a sua mulher. Ah, e ela? ela? idem, idem, se só vendo se crê, eu vi, eu senti o amor que os une! É esse sentido que eu tenho do casamento, para mim é esse viver lindo que eles têm, que eu adoraria ter, um dia, ora pois, sonhar é livre! Que bom que ficou tudo relatado em filme e fotos para a posteridade... Moa, até dançamos no meio da rua, à noitinha, só com a luz das estrelas, a verdinha e a Ana, o Kim, cantavam a plenos pulmões, em Francês, e nós a dançar no passeio... a música acabou e eu continuei... ora pois, Moa, atã a gente não faz a música de dentro? isso foi depois do jantar no Tábua D'aço,do Thomas Egger, no Tabuaço, grande amigo do Osvaldo... ai que cozinha (tem fotos no Kim,(às vezes fim de semana) da telha com bacalhau na mesa, ui, que bem se papou, tanto que tivemos de ir andar a pé... e passamos numa fonte que é rica em amor, se mais água bebermos mais o amor nos bate à porta, enfim; andei para despejar a dita, mas,vamos ver se resulta!... e dormir, dormir? Pois, na Quinta dos Herédias, ê cá por mim dormi com o Conde e o Visconde... se tinha lá as fotos e era o quarto deles.

     
  • Às 24 de setembro de 2009 às 23:18 , Blogger laura disse...

    .
    De manhã, acordei e fui à varanda, e ouvi um certo pássaro a cantar bem alto, é que o Kim tem o Dom de fazer sair esses sons, mas, não, não era o Kim, eram os passarinhos a cantar a chilrear naquela rica manhã! Saí por ali, eram socalcos e mais socalcos, uvas, e as vindimas, vimos muitas vindimas, no terreno, até tinham as lojas fechadas para vindimarem. (por ironia, nem conhecia esses lugares lindos, as curvas botam-nos os ossos em farelo, mas, chegamos inteirinhos a casa, graças à condução do Piloto Osvaldo... xi, o nino carrega que nem sei... mas, em segurança, e com aquele potente Mercedes, quem não vai bem?)

    E o moinho da tia Rosa, nas Poldras, estava prometido pelo Osvaldo, iremos ao Moinho das Poldras, e blá blá, tal e qual foi feito. Claro que uma pessoa, pensa que; agora vamos, mas depois já não se vai, ahhh, meninas, nem vos digo onde é, pois aquele local é digno de ser visto, amado, sentido e assim me senti lá, a gosto, deitei pedras ao rio, sentei-me na margem, aquilo é tudo entre o monte e outro monte, a verdinha descalçou-se e enfiou os pés na água, ó verdinhaaaaaaa, podias constipar-te... Deitei-me na rede, balancei, soube tão bem, até os gatos se apaixonaram e vieram acompanhar-nos até ao carro, bem longe ainda! O Kim,ah, esse fazia as pedras saltarem mais de quantas vezes, as minhas, se saltassem duas já era bom, o filho do Kim, aprendeu, apanhou-lhe o jaito e saiu ao pai... o pessoal quase todo, todos deitaram pedras para saltarem, ainda consegui alguns saltos mortais, com as pedras, o mais famoso foi acertar na perna da verdinha ehhhhhh, e de que maneira, ehhhhhh...
    uvas, bastava apanhá-las, figos que eram bons cumó milho...ui... só que tivemos de andar a pé pra caraças, o carro mal dava para virar ali, mas, era tudo lindo. Deixei recado para que quando for acompanhada, claro, quero dormir ali uma semana e o casal que lá mora vai para a cidade que têm lá um apartamento, basta pedir... só a dois, vai ser lindo, há onde tomar banho, flores mil, paisagem de sonho, enfim, a ver se terei uma foto para vos fazer ter uma ideia, e, descansem que não sabem encontrar o local... nem de gatas, nem de boca. Eles são ciosos da sua privacidade. Mas, emprestam aos amigos.

    A nina Maria dos Alcatruzes, ligou ao Osvaldo e ainda falei com ela, entendeu, ó pois, mas quem não me entende?
    Enfim, foram dias de festa cigana como já tinha dito. O Kim,Luisa e nino, adoro-os e quem me dera tê-los mais vezes em festas, juntos. Estar junto deles é estar á vontade, descontraídos e em simplicidade...

     
  • Às 24 de setembro de 2009 às 23:18 , Blogger laura disse...

    Esta poesia foi escrita para o blogue do Kim, tirei-a de lá, por agora, e é tudo o que sinto que está nela...
    A poesia do encontro será escrita ainda!...

    Mesmo que um dia me perca de vós
    Mesmo que um dia o tempo se acabe
    Mesmo que um dia o sol deixe
    De brilhar
    Na nossa amizade
    Tenho a certeza de que o nosso amor
    Jamais se irá acabar
    Esteja eu onde estiver
    Sempre vos hei-de
    Recordar e amar!...

    Nomes?
    Nem serão precisos
    Apenas recordarei
    O belo coração de cada um
    A ternura que deram
    À nina, que infeliz
    Soluçava em pranto a dor
    Que não sabia como amenizar
    E tinha o coração magoado
    E a sangrar!...

    Mas, os amigos
    Os amigos de toda a hora
    Deram as mãos
    Fizeram roda
    Cantaram para ela
    Enxugaram o seu pranto
    E tudo quiseram fazer
    Para a ajudar
    Só que a dor que ela tinha
    Demoraria a passar !...

    Mas, não tarda
    estarei por aqui
    de coração a brilhar
    Porque o amor dos amigos
    É tudo o que por agora
    A vida , me pode dar !...

    Antes de vir embora, fomos almoçar a casa do sobrinho da Ana, moço novo com três filhos lindos, mas, a mais novinha! Esperem, fica para o próximo post... Mas, tomamo-nos de amores uma pela outra, só com dois aninhos, era vê-la sempre pela minha mão a dar-me miminhos, beijinhos, amor, carinho, e até já vinha comigo para Braga, eu não digo? Há Anjos na familia!...E a Ana é um deles!... e o Osvaldo? senti-o como um anjo protector!... É por isso que Deus no-los empresta, de vez em quando, para sabermos que é possivel viver em harmonia, na terra!...
    Fotos do Kim! e, beijinhos Kim, sempre!...

     
  • Às 25 de setembro de 2009 às 23:52 , Blogger Andre Moa disse...

    Querida Laura,

    Eu bem disse que não tinha pedalada para ti. Nem de avião consigo acompanhar-te quanto mais de bicicleta, para mais na minha que já não passa de uma chocolateira velha e ferrujenta.
    Que relato preciso e pormenorizado! Que de alegria e de amor que por todos nós distribuiste a rodos nstes dias todos! Obrigado por tudo.
    Beijinhos
    André Moa

     
  • Às 26 de setembro de 2009 às 11:20 , Blogger Laura disse...

    Olá Moa, querido amigo! A pedalada depende de cada um, sentados também se pedala, ora pois! Adorei a pedalada das nossas tretas pelas ruas de Tabuaço, no Tábua d'aço, e por ali fora, e sabes que mais, o tempo foi pouco para o muito que há dentro d emim, e de ti, mas, outro dia será junto da tua querida Teresa, se for possivel...as almas afins, anseiam conhecer-se...a dor chega-nos mais para junto de quem sofre, também...
    Beijinhos aos três, incluindo esse netinho vosso..laura

     
  • Às 26 de setembro de 2009 às 11:37 , Blogger Brancamar disse...

    André, querido amigo,

    Tenho andado fugida, mas não esquecida.
    Fico contente por ver que está bem. Jà recuperei metade da leitura e vejo por aqui que o encontro em Tabuaço foi óptimo e o meu amigo continua com energia para dar e vender...
    Logo volto para recuperar o resto, que os relatos desta sua amiga Laurinha são óptimos mas para saborear com calma à noitinha, já li bastante e estou a gostar.
    Agora tenho que sair, mas volto.
    Beijinhos

     
  • Às 27 de setembro de 2009 às 00:16 , Blogger Je Vois la Vie en Vert disse...

    Caro amigo Moa,

    Hoje, festejei mais um ano e foi um riquíssimo dia, cheio de miminhos de todos. O Kim e a Laurinha (achas que és o único a não ter pedalada para ela ? Eu também não...Ela tem tanta energia este nina !) até dedicaram-me um post !

    No fim do dia hoje fui cantar com o meu coro numa igreja da zona, o concerto correu muito bem, e como tinha prometido,enquanto cantava música sacra, tive um pensamento positivo para todos os meus amigos bloguistas e tu e o António estavam incluídos nele, claro !
    Sabes, tenho uma grande Fé. Como dizem que cantar é rezar 2 vezes, acho que Ele estava a ouvir-me e deu-me uma gotas de perlipimpim para a minha voz sair tão bem e aceder ao meu pedido de esperança para todos !

    Muitos beijinhos verdinhos da tua amiga

    Verdinha

    P.S. mandei umas fotos do nosso encontro pelo teu email. Se puderes transmití-las ao António porque, por lapso, não fiquei com o email dele.

     
  • Às 27 de setembro de 2009 às 13:16 , Blogger laura disse...

    Ai, MOa, o que ela quer (a verdinha) é que, ... é que...lhe cantemos os parabéns de todas as vezes que for cantar no grupo coral!... Já viste, se a rapariga só canta tão bem, tão maravilhosamente depois de lhe darmos os parabéns!... Ora, o que mais lhe havemos de fazer senão repetir os anos, mas,sem sair do numero senão!...ai a miúda com voz de canário!...Adoro-a, claro, e a ti? também, a todos, beijinhos da vossa laura.

     
  • Às 28 de setembro de 2009 às 23:14 , Blogger Laura disse...

    Ler o Osvaldo no meu blogue, deu-me cá uns fanicos e pena, muita pena de não ter ido convosco, não fosse a minha Neide e ia mesmo, mas por ela, para não ficar sem mim tanto tempo e para lhe fazer a papinha, olha,armei-me em tótó e perdi a ocasião de conhecer a tua querida mulher, enfim...e se desse ainda iriamos conhecer (eu) a Maria dos Alcatruzes, mas, outro dia será... Não queres ir ver a nossa foto no resteas, na despedida? hum, que giraços os cotas estão!...Beijinhos.

     
  • Às 30 de setembro de 2009 às 13:24 , Blogger Maria Clarinda disse...

    Eh,Eh e o que eu aprendi hoje aqui...
    Jinhos

     
  • Às 2 de outubro de 2009 às 01:03 , Blogger Laura disse...

    Maria Clarinda; aprendeste que acelgas ajudam a curar a fome de que o Moa deve padecer, eu já as comi e nem são más de todo...Beijinhos meus, laura e beijinho ao Moa...

     
  • Às 4 de outubro de 2009 às 23:31 , Blogger Brancamar disse...

    André,

    Espero que esteja tudo bem consigo. Realmente não há pedalada que aguente a da Laurinha, mas já li tudo e o seu relato é um ralato tão vivo, que já me estou a ver em Tabuaço...
    E o mundo é tão pequeno, que não imaginei que ia encontrar hoje aqui a Maria Clarinda. Para a próxima temos que ir as duas também.
    Beijinhos.
    Branca

     
  • Às 5 de outubro de 2009 às 21:55 , Blogger laura disse...

    Pois, tras outro amigo também, nesse caso, a Branca e a Clarinda que já ando para conhecer há um ror de tempo...Moa, tão, a corda gastou-se ou fui eu que te cansei em demasia? Beijinhos.

     
  • Às 8 de outubro de 2009 às 22:50 , Blogger Andre Moa disse...

    Queridas amigas,
    isto é uma vergonha, mas a verdade é que estou com uma pedalada muito curta. Dou por mim a verificar que já aqui não vinha há quinze dias. E mesmo assim, de fugida.
    Cara Verdinha, na minha terra diz-se: «o que não vai no dia de Santa Luzia vai ao outro dia». Por isso, ainda que tardios, os meus parabéns por mais uma Primavera verdinha.
    Para todas, beijinhos muito saudosos e com muito carinho.
    André Moa

     
  • Às 9 de outubro de 2009 às 12:45 , Blogger Laurita disse...

    Olá meus amigos, acho que caí aqui de pára quedas e com uma acelga na boca. Segundo o meu avô houve em tempos um senhor, com o nome de BELLARD DA FONSECA que possuía muitas vinhas. Vendo que se estava a finar, chamou os filhos e disse:- Meus filhos em último caso até da uva se faz vinho. Portanto em último recursinho até da acelga se faz suminho. Beijócas para todos

     
  • Às 11 de outubro de 2009 às 19:22 , Blogger laura disse...

    ´É Domingo, um Domingo diferente do último que tivemos, hoje até o sol se foi, pois só tenho olhos para aqueles dias de festa que andamos na vadiagem da vida...Foi lindo, foi bom, foi óptimo, e quem sabe, para o ano, haverá mais...quem sabe, e teremos ambos mais pedalada...Beijinhos da laura que amou ver a produção do cineasta Kim Kim...

     
  • Às 11 de outubro de 2009 às 19:23 , Blogger laura disse...

    Esqueci de por o teu nome, ora pois, aí vai, beijinhos ó Moa, Moa da terra e dos rios, do passeio apetecido por terras de tabuaço..laura

     
  • Às 13 de outubro de 2009 às 19:05 , Blogger Je Vois la Vie en Vert disse...

    Olá,

    Agradeço os teus parabéns, mesmo atrasados, porque esta idade vai andar comigo durante um ano...o que dizem na tua terra me convém perfeitamente : o importante para mim é a intenção e não o respeito do dia certo !

    Depois de ter andado a ler e reler os teus poemas no Espirito das Águas, comecei (emfim !)ontém a ler o "Mau Tempo no Anal". O meu problema é que durante o dia, mal tenho tempo para me coçar (dizem os portugueses e eu também adaptei a expressão, não é que tenha pulgas...), vagueio entre aulas na Academia Senior da Cruz Vermelha como aluna, como formadora e como voluntária, ainda tenho ensaios do coro, meti-me em aulas de canto, sem falar dos concertos que damos com o coro, tenho as tarefas ditas domésticas, encontro o Leo de vez em quando num corredor, sem esquecer o meu blog e o blog do coro que está ao meu cargo.
    O início da minha frase já vai longe e eu dizia isto tudo para te dizer que quando pego num livro na cama, o cansaço é tanto que adormeço logo depois de ler 2 páginas! Por isso não te admiras que não te dê a minha opinião sobre o teu livro antes dum certo tempo...:D

    Tenho saudades de todos estes momentos passados juntos. Quem não teria ? Foi tão agradavel, tão saudável, tão espontâneo que dificilmente se repetiram, com o "agravante" que várias pessoas querem se juntar a nós !

    Trata bem desta saúde para podermos nos rever brevemente e em grande forma !

    Beijinhos da

    Verdinha

     
  • Às 13 de outubro de 2009 às 23:35 , Blogger Andre Moa disse...

    Queridas Laura e Verdinha, só para agradecer as vossas amáveis palavras e reiterar a minha amizade por vós, neste meu teimoso silêncio. Mas vou qubrá-lo, ai vou, vou. Talvez mais cedo do que poderia, mas muito mais tarde do que desejaria.
    Beijinhos
    André Moa

     
  • Às 23 de outubro de 2009 às 21:33 , Anonymous bichodeconta disse...

    Olá
    Depois de ler, curvo-me perante tamanha sensibilidade. A sopa de acelgas com feijão foi em tempos idos forma de matar a fome no meu Alentejo.Havia também quem apanhasse uma espécie de cardos a que chamavam, cagarrinhas e eram deliciosas no cozido que se improvisava ou na dita sopa de feijão. De arepio (como se arranja a pescada)retirava-se a parte da folha que tem os picos e o que ficava para a alimentação eram os caules. Do campo tudo se aproveita, míscaros que o meu pai apanhava e com os quais fazia petiscos de comer e chorar por mais.espargos verdes, (que saudade)tubras,uma bolas que cresciam debaixo do chão e que era preciso alguma pericia para as apanhar, macias, de textura sucolenta, eram um pitéu tanto fritas com ovos ou estufadas, confesso que era a forma como gostava mais delas, hoje ainda se vem mas custam fortunas por kg.E tenho uma dúvida, mas atrevo-me a dizer que são as tão apreciadas Turfas Francesas, peixe do rio, mel das colmeias encontradas nos tocos dos sobreiros, era cada favo de mel!Melros aos quais eu gostava tanto de ir com o pai colocar as ratoeiras.Um montinho de terra, uma ratoeira escondida nesse montinho onde só o isco(uma azeitona)ficava de fora, á tarde era só fazer a recolha dos pobres melros que nós acabáva-mos por comer. Por isso se diz no Alentejo, Burro com fome cardos come..E as perninhas de rã?Deliciosas.Atigiram preços de caviar de primeira. Lembrei-me agora de uns figos cheios de picos que o pai apanhava pra nós e que há pouco tempo voltei a comer.Íamos com o pai, com um balde, uma tenaz para os apanhar, um garfo comprido e faca.. O pai não dava a conta a descascar figos pra nós, eu que tentava apanhár figos e descascar sózinha, ao chegar a casa cheia de picos que parecem fios de seda,era terrível.Então o pai com a sua (dele)doce paciencia e amor lá ia com um pano e azeite passar o corpo por onde se haviam espetado os referidos picos.O azeite tirava-os e assim depois daquele passeio, deliciadas com os figos e os picos tirados, á nossa volta o mundo acontecia indiferente ás necessidades de quem tinha sete filhos para alimentar.. Deixo um abraço envolto num pedido de desculpas pela intromissão. Se me for permitido voltarei, gostei do lugar, e gostei sobretudo dos poemas e prosas recheadas de sabedoria e sensibilidade. Um abraço, Ell

     
  • Às 16 de abril de 2013 às 19:09 , Anonymous Anónimo disse...

    The initial cost for these LED bulbs is high but they will
    pay back your investment within a few months. There health benefits outnumber their disadvantages, if any.
    Hopefully, with this guide and examples on how
    to power 12 volt lights with solar panels at your home, you will be well on your way to having great lighting
    while saving energy in a cost-efficient manner.

    Also visit my website: Tischleuchten

     

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial

 
Que cantan los poetas andaluces de ahora...