SEJAM MUITO BEM VINDOS A ESTE BLOG!--------ENA!-- TANTOS LEITORES DO MEU BLOG QUASE DIÁRIO! ---ESTA FOTO É UMA VISTA AÉREA DA MINHA TERRA,-TABUAÇO! UM ABRAÇO PARA CADA UM DE VÓS! -ANDRÉ MOA-

quinta-feira, 2 de julho de 2009

PALAVRAS DE AGRADECIMENTO NO LANÇAMENTO DO LIVRO MAU TEMPO NO ANAL-DIÁRIO DE UM PACIENTE

(O TEXTO É COMPRIDO PARA POST, MAS ATENDENDO AOS APLAUSOS E ELOGIOS RECEBIDOS, PARTO DO PRINCÍPIO DE QUE VALE A PENA LÊ-LO)

MAU TEMPO NO ANAL – DIÁRIO DE UM PACIENTE

Excelentes e queridíssimas amigas,

Excelentes e queridos amigos,

Excelentes inimigos,

EXCELÊNCIAS:

Partindo da premissa de que a minha presença aqui se justifica mais pela escrita do que pela fala, em vez de preparar e decorar meticulosamente um improviso para este acto solene, resolvi escrever o que agora vos leio.

Esta resolução levar-me-á, espero, a ser mais breve e a não perder tão facilmente o rumo, por falta de água ao leme. Que meta água sim, mas que ao menos o leme se mantenha firme e activo.

De imediato, e antes que a língua se me entaramele, a voz se me embargue, a emoção me traia, a comoção não me deixe articular palavra, expresso o meu profundo reconhecimento a todos quantos contribuiram para que tenha chegado a este areópago, exposto nesta custódia em forma de livro onde restarei para todo o sempre, em corpo, alma e divindade.
Formulado que fica o meu reconhecimento plural e abstracto a todos os presentes e ausentes, o primeiro reconhecimento singular e concreto vai para a nossa anfitriã – a Ordem dos Médicos – realçando a sua disponibilidade em franquear-nos as portas, tão predisposta ela está a acolher eventos relativos quer à saúde quer à cultura.
MAU TEMPO NO ANAL – DIÁRIO DE UM PACIENTE ficará, indelével e simultaneamente ligado à saúde e à arte, por isso, considerámos ser este o lugar ideal para anunciarmos urbi et orbi o nascimento deste livro (deste filho) que, proveniente de um parto com dor, cedo se transformou num acto colectivo de amor. O meu sentido reconhecimento a todos os membros dirigentes desta prestimosa instituição que generosamente nos acolhe, extensivo ao Doutor Germano de Sousa, ex-bastonário da Ordem dos Médicos (que tão gentil e abnegadamente se prestou a ser o porta-voz deste desejo do autor, logo secundado pela editora, a Quidnovi) e ao professor universitário Onésimo Teotónio Almeida – o impulsionador mor disto tudo.

Hoje sinto-me como que levado em triunfal procissão pelas ruas da cidade, depois de ter andado pelas ruas da amargura.

Toda esta apoteose resulta do facto de me ter ocorrido verter para o computador, dizem que com alguma graça, toda a desgraça que sobre mim desabava e enquanto desabava; todo o amor por que suspirava; todo o humor que ia inventando para melhor me livrar da hecatombe, isto é, do sacrifício de cem bois em ritual da Grécia antiga, como consta do Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea; toda a dor sentida, toda a dor ‘fingida’ (fingida à Fernando Pessoa, ou seja, duplamente sentida); os meus desesperos; as minhas dúvidas; as minhas esperanças.

Será caso para proclamar: santas dores, abençoada doença, que tantas manifestações de apreço e carinho me têm proporcionado.

Costuma dizer-se de um sofredor com cara por onde visivelmente a dor anda a lavrar fundo e feio: «parece um Cristo».

Segundo rezam as crónicas, o sofrimento de Cristo terá durado umas escassas horas, um dia, vá lá. O meu dura… dura… e perdura.

O verdadeiro Cristo terá morrido convencido de que iria ressuscitar ao terceiro dia. Eu não creio em ressurreições post mortem.

Não obstante (e aqui fica o solene aviso) se um dia morrer e me vier a acontecer ressuscitar, não direi que não. Ficarei mesmo muito grato ao autor ou autores de tal façanha.

Tal é o meu apego à vida, ainda que sofrida, ainda que dorida!

Talvez por isso mesmo, por ser sofrida é que eu amo desaustinadamente a Vida e me sinto reconhecido pelas bênçãos que, no meio de tantos escolhos e padecimentos, sobre mim tem derramado, a última das quais, permitam que a saliente, tem três anos, dá pelo nome de Luís Tiago, e me tem transmitido Vida...Vida…Vida…
Bem-hajas, meu querido neto.

Tudo leva a supor que Cristo terá morrido cheio de saúde. Teve o seu calvário, sim, mas nem um extra, se não levarmos em conta o sangue que terá suado no horto, pouco antes de ser preso.
Por mim, tive tantos e tais que fiquei conhecido entre os médicos e enfermeiros do Hospital da Força Aérea como o homem dos extras.
Os colaterais afligiram-me mais do que os ciúmes de uma próstata inflamada, do que o cancro no recto e, mais recentemente, do que o cancro nos pulmões. Os colaterais foram tantos e tais que não me deixaram pôr pé em ramo verde.

Apesar de tudo, sinto que tive algumas e saborosas vantagens sobre Cristo.
Porque tive não apenas uma mas muitas Verónicas a enxugar-me o rosto e muitos e bons Cireneus que não só me aligeiraram a carga das várias cruzes que sobre mim tombaram, como evitaram a minha crucifixão e morte. E com que denodo, com que saber, com que competência, com que devoção, com que abnegação, com que generosidade!

De todos os meus Cireneus (não falo dos familiares nem dos amigos próximos que, mais que Cireneus, foram outros tantos Cristos, comigo, em mim e por mim) apraz-me salientar neste acto de glorificação, neste hossana colectivo à Vida, os três médicos que não só me restabeleceram a saúde, como me agraciaram com o seu insuperável humanismo e me presentearam, sinto-o bem, com a sua amizade, como a sua presença e as amáveis palavras que o doutor Carlos Balhana acaba de proferir bem atestam.

Para esses taumaturgos que ressuscitaram este pobre Lázaro, o meu profundo e perene reconhecimento. Para vós todo o meu preito, cara doutora Maria de Jesus Salazar, caro Doutor Carlos Balhana, caro doutor Manuel Domingos.

Não vou falar mais de vias-sacras nem de calvários.

Prefiro retomar esta triunfal procissão que tanto me engrandece e lisonjeia.

Cá vou eu exposto nesta custódia (neste livro) congeminada e sustentada pela mente sábia e o coração generoso do professor, escritor e amigo Onésimo Teotónio Almeida que por sorte, ele que lecciona na Universidade da Brown, Providence, Massachusetts, U.S.A. (usa, mas não abusa), temos hoje entre nós, para nos honrar com a sua amistosa presença e nos brindar com a magistral lição de sapiência que acabámos de ouvir, toda ela salpicada de irradiante amizade e contagiante boa disposição, como é seu timbre.

Este livro contém o que porventura será inédito: três belos prefácios de três grandes senhores.

Só para dar a conhecer e a todos oferecer a oportunidade de saborear estes três textos já teria valido a pena publicar e divulgar este livro.

O primeiro texto em jeito de prefácio é do Onésimo Teotónio Almeida a que chamou: «Cac(a)fonia em dói menor». Um achado, este título. O texto é um verdadeiro tratado de sapiência, uma análise profunda, repleta de humor e cheia de graça.
O segundo texto em jeito de prefácio devo-o ao professor Olegário de Sousa Paz que também faz o favor de ser meu amigo.
Olegário Paz chamou-lhe, com demasiada humildade, «Notas de Leitura», mas como irão verificar ao lê-lo, é muito, mas muito mais do que isso: um verdadeiro tratado de saber literário, de análise de texto e, simultaneamente, de amizade.

O terceiro texto é do meu querido, santo e dedicado irmão, António Joaquim Macedo Fernandes que, ao ler o meu Diário, resolveu escrever-me uma carta de amor fraternal.

Aos três prefaciadores, o meu sentido abraço.

A experiência no-lo diz que não há festa, procissão, livro algum, sem uma dedicada e organizada confraria, sem uma boa e empenhada mordomia, sem uma boa editora, predisposta a unir e conjugar esforços e boas vontades, saberes e sabores, a assumir os riscos inerentes a projectos deste quilate.

Sinto-me um privilegiado por ter sido acolhido, acarinhado e editado por tão competente, tão profissional, tão prestigiada editora como é a QUIDNOVI que, a meus olhos, tem dois rostos e uma equipa técnica: os rostos da Doutora Maria do Rosário Pedreira e da doutora Ana Pereirinha e uma equipa técnica cujos elementos não conheço mas de quem conheço e reconhecidamente exalto o seu óptimo trabalho bem patente na capa, como em toda a textura do livro.

A doutora Maria do Rosário Pedreira e a doutora Ana Pereirinha acolheram-me de uma forma ao mesmo tempo muito profissional e excepcionalmente simpática. Ensinaram-me, corrigiram-me, trataram de tudo com competência, profissionalismo, devoção e empenho inexcedíveis. Bem-hajam, caríssimas amigas, se me permitis extravasar desta forma o meu sentimento por vós. E parabéns pelo vosso excelente trabalho.

Editorialmente, este livro, está, de facto, uma perfeição. Uma autêntica obra de arte gráfica.

Os prefácios falam por si. São excelentes.

Do meu texto também direi que é excelente. Modéstia à parte, ouso afirmar isto, alto e bom som, por me sentir bem escudado atrás de duas fortíssimas e inultrapassáveis razões.

Primeira razão: sou modesto, mas não sou parvo.

Segunda razão (e esta é de peso): se pessoas honestas, com o gabarito e a craveira de um professor Onésimo, de um professor Olegário, de um senhor irmão, de uma senhora doutora Maria do Rosário Pedreira, de um senhor doutor Carlos Balhana, sim, se todas estas sumidades disseram o que disseram, escreveram o que escreveram; se não pouparam encómios nem regatearam elogios; se, em uníssono, tanto enalteceram obra e autor, quem sou eu, pobre poeta, paciente diarista diariamente paciente, sim, quem sou eu para os contradizer? Nessa não caio. E não caio, porque não quero, não posso e não devo, sob pena de cometer uma injusta e imperdoável falta de respeito, de consideração e de gratidão.

Prefiro, pois, fazer minhas as suas sábias e sentidas palavras e com eles proclamar em coro que MAU TEMPO NO ANAL – DIÁRIO DE UM PACIENTE é uma senhora obra, uma obra merecedora de ser lida, mastigada, reflectida, divulgada.

Para rematar, acrescentarei que MAU TEMPO NO ANAL – DIÁRIO DE UM PACIENTE foi escrito com muita dor, com muito amor e com uma boa dose de humor, concedo.

Escrever este livro foi para mim um eficaz placebo. Fez-me bem, ajudou-me muito a criar a necessária distância entre mim e mim, para melhor poder objectivar e desse modo superar a dor, o sofrimento, a preocupação, a ansiedade, a dúvida, o temor para não dizer o cagaço, sim, o cagaço que as doenças, nomeadamente as doenças do foro oncológico, habitualmente sugerem.

Publicá-lo, tomei-o eu como imperativo de consciência, na expectativa de com ele poder vir a ajudar alguém, muitos alguéns, se possível todos quantos estejam a sofrer e a carecer de uma palavra amiga, optimista, estimulante, uma palavra de conforto e de esperança.

Esta foi a intenção. Façam-na vossa, para que o desígnio deste livro se cumpra. Com a certeza de que, desse modo, cada um a seu modo, estará a exaltar a Vida.

A Vida implica, naturalmente, sofrimento e dor.

Que bom se todos a pudermos e soubermos fruir com optimismo, esperança, amor e humor! Sim, humor – essa firme ponte entre a dor e o amor, esse suavíssimo bálsamo da dor, esse poderoso tónico do amor.

Aqui chegado, resta-me pedir-vos desculpa pelo atrevimento e pelo tempo dispendido.
Bem hajam.

Lisboa, 24 de Junho de 2009
André Moa

15 Comentários:

  • Às 2 de julho de 2009 às 22:11 , Blogger Laura disse...

    Caramba, ó Moa, com tantos amigos deste gabarito, acho que nunca terás inimigos!...
    E a força, a FORÇA vem DELE, tu sabes que sim... E claro que quando soar a hora, estarás num novo mundo, o verdadeiro mundo, já que este é apenas uma passagem, uma morada provisória, cheia de sentires, saberes e sofreres...
    Gostei de ler tão bela prosa, tão belo sentido de humor. Porque dói, dói na alma quando sabemos que daqui a tempos teremos d partir, saber todos sabemos, mas nem todos queremos acreditar...
    Moa, Moa, querido amigo. A cada dia os eu dia, e o resto é com ELE!... Eu sei que é!.
    Abraço apertadinho da laura.

     
  • Às 2 de julho de 2009 às 22:57 , Blogger Andre Moa disse...

    Tu sabes tanto, querida Laura!

    Beijinhos.

    André Moa

     
  • Às 3 de julho de 2009 às 13:20 , Blogger elvira carvalho disse...

    Nunca é tempo perdido o tempo que aqui passo, pelo que no que me toca não tem que pedir desculpas. Estive por aqui outro dia e li o post anterior embora não tenha comentado.
    Desejo-lhe sucesso para o livro, que eu gostaria de possuir se me informar onde obtê-lo. Mas mais do que isso desejo que a subida nas análises sejam apenas fruto do stress vivido com o lançamento do livro e que quando for fazer novas analises em Agosto já tenha voltado ao normal.
    Que Deus o ajude e o proteja.
    Um abraço e bom fim de semana

     
  • Às 3 de julho de 2009 às 23:33 , Blogger Andre Moa disse...

    Cara Elvira,
    Bem-haja pelas palavras amáveis e solidárias.
    O livro está distribuído por tudo quanto é livraria séria e cumpridora, nomeadamente nas livrarias da Fnac e da Bertrand.
    Bom fim-de-semana.
    Beijinhos
    André Moa

     
  • Às 5 de julho de 2009 às 15:32 , Blogger Maria disse...

    Corajoso André Moa:
    Em luta com tantas adversidades, escrever um livro e descrevê-las, só alguém muito corajoso o faria. Ainda não comprei o livro, mas adivinho que vou lê-lo de um fôlego, como é meu costume, quando gosto. Não gosto que sofra, amigo. Gosto que seja capaz de descrever esse sofrimento, sem armar em vítima, com um humor que já estou a adivinhar nesta apresentação. Sofrer é díficil, sofrer com resignação é admirável, sofrer e fazer os outros acharem esse sofrimento uma coisa pequena e por vezes rísivel, é sublime.
    O André merece três ressureições. Merece viver sempre, para exemplo daqueles a quem uma simples dorzinha, torna uns trapos.
    Que tudo corra bem, meu amigo.
    Com toda a admiração, ternura e respeito.

     
  • Às 5 de julho de 2009 às 15:45 , Blogger Laura disse...

    Vim saber noticias, vim apanhar uns pingos de chuva porque aqui chove... chove na rua, na minha alma também...
    E deixar um abraço ao Mestre que nos ensina tanto que o viver nada mais é que sofrer, e continuar a lutar enquanto houver lutas a vencer!...
    Um beijinho da laura.

     
  • Às 5 de julho de 2009 às 23:57 , Blogger Brancamar disse...

    Olá André,

    Admirável este texto, já tinha tentado lê-lo, mas tive que voltar a pedir socorro para o meu computador, vamos ver se é desta que lhe passaram de vez as maleitas. Só hoje consegui ir à Bertrand e lá estava um monte razoável do "Mau tempo no anal". Jà trouxe o meu e daqui a pouco vou começar a leitura.
    Espero que entretanto os seus valores estejam a normalizar e o comboio volte a entrar nos carris.
    Volto amanhã.
    Beijinhos.
    Branca

     
  • Às 6 de julho de 2009 às 01:02 , Blogger Andre Moa disse...

    Ó QUERIDÍSSIMA MARIA,
    Ó QUERIDÍSSIMA LAURA,
    Ó QUERIDÍSSIMA BRANCA,
    Ó MINHAS EXCELENTES E QUERIDÍSSIMAS AMIGAS:
    Só para ouvir estes vossos tão rasgados elogios e vos saber tão solidárias, já valeu a pena sofrer o que sofri.
    E tenho a certeza que não há valores que aguentem com o vosso empenho, por isso, não terão outro remédio senão baixarem a bolinha. Isso só irei confirmar em Setembro, que as maleitas estão de férias de Verão e os médicos e o doentinho também. Mas estou a fazer um tratamento à base da alimentação e unmas mesinhas naturistas que me vão pôr mais que afinado, refinado, renovado no corpo e na alma. A ver vamos.
    Beijinhos, minhas queridas amigas.
    André Moa

     
  • Às 6 de julho de 2009 às 10:47 , Blogger Osvaldo disse...

    Caro irmão;

    Hoje com tempo aqui vim parar e além da sumptuosidade do lançamento do teu livro assim com das personalidades presentes, viro-me para as três personalidades que aqui te visitaram, minhas (e tuas também) amigas Laura, Maria e Branca e pelas belas mensagens de incentivo que aqui te deixaram... Se estiveres bem e isso for possivel, certamente as irás abraçar, como outros amigos (Kim, etc.) em Setembro em Tabuaço...
    Se de todo não for possivel a tua deslocação, certamente haverão outras oportunidades...

    Um abraço, caro irmão e um abraço ao António.
    Osvaldo

     
  • Às 7 de julho de 2009 às 00:46 , Blogger Andre Moa disse...

    Caro Osvaldo,
    só se de todo não puder é que não estarei presente em Setembro. Nem que vá de gatinhas. De carro ou de arado, penso lá chegar para confraternizar com todos os nossos queridos amigos.
    Um grande abraço.
    André Moa

     
  • Às 8 de julho de 2009 às 11:31 , Blogger Laura disse...

    Ah, nanja, nanja que isso nem aceito, nem se pensa, nem se faz, quando a montanha não pode ir, o pessoal vai à montanha, more ela onde morar. Estou decidida a fazer um finca pé para estar com o meu querido Poeta, o nosso André... o nosso Moa, adoro pronunciar o nome de Moa!... Sabe-me aos meus tempos de África e nem me tirem isso da cabeça! é o que é e prontos.
    Tá decidido, a gente é que há-de caminhar, gatinhar, arrastar-se para onde for, mas o nosso Moa há-de ser abraçado por todos, porque todos somos o amor em pessoa!... Onde já se viu?
    Até lá, é o que me sustém e me dá conforto. Andei a atravessar uma fase de muita tristeza, (maldita tristeza que quase me botou abaixo, mas, dos fracos não reza a história, e, aqui estou eu, tentando içar-me para o lugar onde estava...muita falta de confiança em mim, muito de tudo, e, preciso deste tempero das terras do Tabuaço, a começar por Viseu, para que os meus sonhos tornem a regressar!...)
    Setembro, sem dúvidas!...
    Adoro-vos a todos, beijinhos da laura.

     
  • Às 8 de julho de 2009 às 11:35 , Blogger Laura disse...

    Amor
    Sentimento belo
    Que nos desperta
    Para as duras realidades
    Da vida
    Amor, que tras almas inquietas
    Mas que a todas desperta
    Quando o doce sentimento
    Nos aproximas dos mais
    Que como nós
    Têm a alma liberta!...

    Almas presas é o que mais há
    Almas afins
    Tantas que somos
    E quando nos encontramos
    E nos olhamos nos olhos
    É que reparamos
    O quão felizes
    Quão felizes que somos
    Que felizes que estamos !...

    Beijinhos querido André, beijinhos e muito amor cá do lado da rapariga de Braga!...

     
  • Às 9 de julho de 2009 às 00:42 , Blogger Andre Moa disse...

    Cara Laura,

    falaste tão bem...
    E disseste tudo...
    Por isso, por mim
    só posso dizer: Amen,
    e quedar-me mudo
    a ver Braga por um canudo
    do princípio ao fim.
    E à Laura também,
    Mas só até Setembro,
    porque em Setembro,
    «se bem me lembro»
    vamos todos a Tabuaço
    para nos darmos
    aquele grande abraço.

    Até lá,
    beijinhos.
    André Moa

     
  • Às 9 de julho de 2009 às 18:12 , Blogger Eduardo Aleixo disse...

    Caro amigo. Tive pena de não estar presente. Mas de nada sabia. Nem das oenças que tiveste.
    Que bom teres vencido. Com a tua força e, creio eu, com a força de Deus.
    A vida é também sofrimento.
    E bem hajas teres usado esse sofrimento para bem dos outros, que te vão ler. Não foi em vão. Tudo na vida tem uma finalidade. O que te aconteceu também teve, amigo.
    Um abraço. E agora vou ver se compro o livro para o ler.
    Com a amizade de sempre.

     
  • Às 9 de julho de 2009 às 23:59 , Blogger Andre Moa disse...

    Caro Eduardo Aleixo,
    obrigado pelas tuas palavras amigas e estimulantes.
    Fazes bem em comprar o livro, lê-lo e criticá-lo. A editora e o autor agradecem.
    O amigo,esse, ficará reconhecido, como sempre, para todo o sempre.
    Um abraço.
    André Moa

     

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial

 
Que cantan los poetas andaluces de ahora...