SEJAM MUITO BEM VINDOS A ESTE BLOG!--------ENA!-- TANTOS LEITORES DO MEU BLOG QUASE DIÁRIO! ---ESTA FOTO É UMA VISTA AÉREA DA MINHA TERRA,-TABUAÇO! UM ABRAÇO PARA CADA UM DE VÓS! -ANDRÉ MOA-

sábado, 28 de novembro de 2009

AOS SETENTA só SESSENTA DE POESIA 2




AOS SETENTA SÓ SESSENTA DE POESIA (CONTINUAÇÃO)












Claro que, a fazer finca-pé na memória de minha mãe, que só da sua memória me vêm tais ecos, ainda poderia recuar um pouco mais no tempo para perscrutar as primeiras manifestações ‘poéticas’ cá do artista, então artista de palmo e meio. Teria eu dois, três anos (disto não guardo a mais ténue reminiscência, falo, pois, exclusivamente baseado nos relatos maternais, confirmados por pai, madrinha, avô, tios, vizinhos, tudo gente mais velha e de respeito) e já era o animador mor nas noites cálidas de Verão do ajuntamento na rua dos vizinhos a pedir à noite uma suave brisa que servisse de refrigério àqueles corpos ressequidos pela canícula impiedosa de doze e mais horas à torreira do sol, cantando, para gáudio e agrado de todos, as canções do São João que facilmente aprendia e trauteava com desenvoltura, tentando transcrever textualmente o que me foi transmitido ao longo da infância e juventude. Quando na reunião familiar de consoada em casa dos meus avós paternos com essa mesma idade eu fazia de uma frita concertina, convidando todos a cantar comigo e dava por alguém que parasse de cantar, logo os interpelando: canta pai, canta mãe, canta avó, não estaria já a demonstrar os meus dons de trovador? Por certo que sim. E se registo houvesse destas primeiras façanhas, os setenta de idade quase que se confundiam com outros tantos anos de poesia. Mas vou mais longe. Minha mãe, pelos relatos que fui colhendo ao longo da vida, era uma moçoila sadia, folgazona, danada para a folia, para o bailarico e para a cantoria. Ainda não tinha feito os vinte quando me deitou ao mundo, por certo a toque de caixa e logo embalado pela sua melodiosa voz. Tão bem cantava e improvisava ela, sempre que a letra original da canção lhe escapava! Com estes antecedentes todos, fosse por força hereditária, fosse por inconsciente retenção dos acordes ouvidos, fixados e quiçá com eles fazendo coro ainda no quente e jovem ventre materno, não me custa aceitar que trovador me tornei ainda antes de nascer, trovador desde o primeiro instante de vida, trovador cresci, a trovar vivi e, já agora, a trovar desejo morrer, em beleza, reconfortado e ungido pela poesia. E, se possível, daqui a muitos e bons anos, só quando já mais não puder viver. Mas ainda será cedo para falar do futuro e tarde para falar do passado de que não tenho memória. Falarei, por isso, apenas destes sessenta anos de poesia de que guardo memória e registo.
Aqui vai a primeira manifestação poética deste não direi nem grande nem pequeno poeta, mas sim deste amante e cultor, pelo menos há sessenta anos, desta minha antiga e apaixonante companheira a que ouso, convictamente ouso, apelidar de poesia.


TENTAÇÃO


Eu fiz coisas de uma vez
Ou coisas que o demo fez
Em cair na tentação
De roubar cinco tostões
E disse para os meus botões:
Olha que foste ladrão!

Eu caí na esparrela
De saltar pela janela
Para a minha mãe não me ver
Mas deixei rastos na sala
Ficou meia aberta a mala
Tudo se veio a saber.

Os amigos me esperavam
E nem sequer se cansavam
De me empurrar para ir
De rebuçados comprar
O que há pouco fui roubar
E das mãos queria sair.

E lá vou, malgrado meu,
Pois minha mãe me bateu
Logo que a casa cheguei.
Já me tinha descoberto
Vendo o cofrezinho aberto
Que com pressa nem fechei.

Com o ar de fanfarrões
Entrámos com os cinco tostões
Já na mão vão a ferver
Perto da banca da loja:
- Dê-me rebuçados ‘Foja’,
Avie-se, quero comer.

Calhou dois a cada um
E não me ficou nenhum
Para comer em outra hora.
Pedi então aos amigos:
- Agora comprem os figos.
Mas eles… foram-se embora.

Dezembro de 1949

Quem tiver, como eu, alguma relutância em tomar esta peça como um poema, atente nos seus pormenores poéticos. Poéticos e pessoanos.
«O poeta é um fingidor», proclamou Fernando Pessoa. Reparem como eu, aos dez anos, já sabia fingir tão bem: o furto não foi de cinco, mas sim de vinte e cinco tostões. Acontece que o valor real ultrapassava as sete sílabas. De que se lembrou o embrião? Reduzir o valor, pois então! E assim se perdeu a alma, mas salvou-se a métrica. Para além de fingidor, manifesto-me aqui já como um grande inventor, senhor de grande poder imaginativo. Com efeito, o furto foi singelo, rápido e nada acrobático. Os vinte e cinco tostões encontrei-os eu sobre o aparador da cozinha, onde minha mãe os tinha deixado conscientemente e não por esquecimento como o tentador me sugeriu para me aliciar a pecar. E qual salto pela janela, qual quê! Saí pela porta, nas calmas. Que a minha mãe me bateu logo que a casa cheguei, lá isso, foi certo. E essa da sala e da mala e do cofrezinho é tudo pura invenção de uma imaginação precocemente delirante. E o resto também. Realmente real só o furto e a tareia mestra para que me ficasse de emenda. E ficou. Nunca mais roubei nada a ninguém. Bem pelo contrário. Toda a vida fui um perdulário, um otário, um anjolas nãos mãos dos vígaros. Aliás, como qualquer poeta, como qualquer sonhador que se preze.

34 Comentários:

  • Às 29 de novembro de 2009 às 09:54 , Blogger Laura disse...

    Bom dia, ou antes; excelente dia carregado de Poesia e Parabéns ao nosso querido Moa, Parabéns sim senhora!
    Não posso demorar, prometo voltar quando trouxer a encomenda que vou buscar ao Sá carneiro!... depois destilo palavras até chegar...
    Se der, entra no Resteas..Beijinho abraço muito, muito apertado e descansa, aquilo não era a valer, agora iamos lá partir o nosso Moa ao meio, xiça, coitado dele...eu prometo dividir tudo com parcimónia ehhh não sou eu a menina doce do Kim; a Dolce? ah, calma lá..respira fundo. Hoje é dia de alegria..beijinhos da laura

     
  • Às 29 de novembro de 2009 às 10:52 , Blogger Je Vois la Vie en Vert disse...

    Em excelente dia de aniversário para ti hoje ! Já te deixei os meus parabéns no blogue da tua musa Laurinha.

    Realmente esta costela poética vem de longe, já o malandrote Moa punha as suas traquinices em verso.
    Lembrei-me de ter ouvido uma história de calças nova tão bem remendada pela vizinha cerzideira ...

    Muitos beijinhos de parabéns ! Que este dia seja o primeiro de muitos anos de felicidade, de saúde e de vida !

    Outros abraços do Leo

    Muitos beijinhos verdes de esperança e não só da

    Verdinha

     
  • Às 29 de novembro de 2009 às 12:54 , Anonymous Dad disse...

    UauH!!! Não há dúvida que a poesia nasceu cedo!!!
    Que giro!
    Embora já tenhamos falado, aqui fica um desejo sincero que este ano possa ser muitissimo melhor do que foi o passado e que esta nova dácada seja de derramar saúde e poesia por todos os cantos...

    Beijinho grande,

     
  • Às 29 de novembro de 2009 às 16:41 , Blogger laura disse...

    E disseste tudo sobre os Poetas, somos uns perdulários nas mãos dos vígaros, ora pois, mas deixa lá, mais damos mais vamos recebendo...fazemo-nos de parvos, sabendo que nem o somos!
    Eu nem precisava de surripiar moedas, o meu tio tinha uma loja lá na aldeia da minha mãe, e eu, eu, valha-me Deus, tão gulosa que nem te digo, magrinha cumá'fome, segundo a minha mãe, o meu tio era um pedaço surdo e mais cego ainda... de forma que eu ouvia bem na altura, passava por baixo do balcão, fazia uma cesta da roda do vestido, ah, era fartar vilanagem, ele eram linguas de gato, figos secos que me sabiam melhor ali que na mesa do natal...e chegava cá fora distribuia a todos os miudos, pobres ehhhh, claro que o meu tio dava por ela , atirava-me com o metro de pau, ele tinha maus figados desde sempre, mas, aquilo não se fazia...(roubar delicas doces!) enfim, levaste-me até estas recordações lindas..
    Beijinhos, muitos, e tudo de bom...laura

     
  • Às 29 de novembro de 2009 às 17:25 , Blogger Bichodeconta disse...

    Este comentário foi removido pelo autor.

     
  • Às 29 de novembro de 2009 às 17:44 , Blogger Bichodeconta disse...

    Parabéns ao aniversariante. Quem dera conseguir eu por em poema ou verso alguns feitos da minha infancia.

    Consta que com dois tres anos
    A mãe me mandou depressa
    Café e açúcar comprar
    Mas ao subir a travessa
    Dedilhando uma guitarra
    encontrei um trovador
    E uma cigana cantando
    Bonitas canções de amor
    As compras esqueci depressa
    Segui minha sina eterna
    E segui o par cantante
    Com eles fui pra taberna
    Cantaram á desgarrada
    A malta estava encantada
    Criança atrás nunca fica
    Ainda consigo ouvir
    O fado que então cantaram
    O do miudo da Bica.
    Terminada a cantoria
    Passaram de mão em mão
    Um chapéu onde ficasse
    Um sinal da gratidão.
    Dei tudo quanto trazia
    Sinal da minha alegria
    Encantada fui pra casa
    Nem açúcar nem café
    O dinheiro asas ganhou
    Não sendo eu castigada
    Porque o pai assim falou
    Primeiro quero saber
    Se consegui aprender
    O que por lá se cantou.
    Cantei então em voz alta
    A voz mais alta que tinha
    Fado o miudo da bica
    Do grande Fernando Farinha.
    ..................
    ......................
    Abreijos

     
  • Às 29 de novembro de 2009 às 19:23 , Blogger Paula Raposo disse...

    Muitos parabéns pelo dia de hoje, André Moa!!
    Beijinhos.

     
  • Às 29 de novembro de 2009 às 19:55 , Blogger Kim disse...

    Parabéns André
    Continua assim sonhador, porque o sonho comanda a vida e isso é algo que tu tens feito muito bem.
    Um grande abraço e feliz aniversário

     
  • Às 29 de novembro de 2009 às 20:17 , Blogger Maria disse...

    A André Moa

    Setenta anos, são certezas
    De muita coisa vivida.
    Alegrias e tristezas,
    Tudo faz parte da vida.

    Para si, André amigo,
    Tem sido luta e bem forte.
    Mas todos juntos, consigo,
    Daremos a volta à sorte.

    Em cima destes setenta,
    Outros, dez vou desejar,
    Para não pedir demais.

    Daqui, por dez, aos oitenta,
    Outros dez, acrescentar.
    E aos noventa, dez mais.

    Beijinho

    Maria


    Já lhe tinha mandado isto para o Kim. Agora vim aqui e, resolvi repetir.
    Mais um bejinho
    Maria

     
  • Às 29 de novembro de 2009 às 21:09 , Blogger laura disse...

    Moa, como vês, a nina Ell, a bicho de conta, é toda fadista, já em pequena andava a dar pró chapéu o que devia ser p´ró açúcar...vá lá que o pai era bom Juiz nessas coisas, vá lá!...temos aqui uma fadista de cantar até que a voz lhe doa, ainda estou pra ver...
    Muito lindo bichinho de conta, muito, muito...adorei..beijinhos d alaura.

     
  • Às 29 de novembro de 2009 às 21:50 , Blogger carla mar disse...

    Parabéns :)

    Beijo meu*

    c

     
  • Às 29 de novembro de 2009 às 22:14 , Blogger jorge henriques disse...

    Caro amigo André, muitos parabens e que o dia de hoje seja cheio de coisas boas .

    UM grande abraço e feliz aniversário.

     
  • Às 30 de novembro de 2009 às 00:31 , Blogger Brancamar disse...

    Querido André,

    Peço desculpa por já chegar depois da meia noite.
    Parabéns! Parabéns!
    Muitas felicidades.
    Que o próximo ano seja melhor que este, com saúde e com tudo de bom.
    Ai a marota da Laurinha que não me avisou. Eu tenho andado muito saída e baralhada e ontem estive a tratar de um desafio de umas amigas até de madrugada, embora seja coisa que não goste muito de fazer, mas elas mereciam por diversas circunstâncias. Ando assim um pouquinho mal da cabeça, mas acho que isto vai tudo passar para a semana, quando pusermos a escrita, melhor dizendo a fala toda em dia, eheheh.

    Deixo beijinhos e abraços.
    Branca

     
  • Às 30 de novembro de 2009 às 00:33 , Blogger Brancamar disse...

    Volto amanhã para ler o texto todo com atenção.
    Beijinhos

     
  • Às 30 de novembro de 2009 às 00:34 , Blogger Brancamar disse...

    Volto amanhã para ler o texto todo com atenção.

    Beijinhos

     
  • Às 30 de novembro de 2009 às 07:51 , Blogger Laura disse...

    Bem se vê que a nossa Branca anda a ficar c'umas brancas,até clicou duas vezes, enfim, sempre conta mais um... mas isso é normal na nossa idade minha querida!...Eu pensei que a menina sabia e nem me passou pla cabeça que não soubesses...

    Eu nunca entro em desafios, as amigas já me conhecem e deixam-me fora disso, só às vezes quando a coisa é pequenina (ahhh, digo; o assunto é pequeno, não vão ler-me à lisboeta ehhh) mas não vou em desafios e inquéritos...

    chegou-me quando aos 16 anos, armada em sabida, e uma amiga me perguntou (aquilo era escrito no caderno, por todos e todos liam ora pois)o assunto era namoros e quejandos.
    Já provou alguma vez, beijo de linguado?
    respondi como sabia...
    Já, a minha mãe faz todas as semanas com arroz de tomate e salada de alface! se era verdade, e havia em Luanda cada linguado de kilos e não como estas solas de sapato que agora vendem e tem o nome de linguado, ah, rapariga, fui a gozação geral lá do grupo, ela teve de arrancar a folha, ficou zangada comigo, chamou-me de parva e tudo, mas, quando ela me começou a descrever como era aquilo, eu em ares de dúvida ainda disse, quando ela começa, enfia-se a lingua na boca do outro, eu; ah, nananana, e os dentes? imaginava os dentes fechados e a lingua numa luta cerrada pra lá entrar...ó valha-me!---

    Beijinhos e claro que o esquecimento para a semana, acaba-se...ora pois..laura

     
  • Às 30 de novembro de 2009 às 17:01 , Blogger Laura disse...

    Vês como também te riste da nina laura? então podes lá ir ler mais uma em resposta, ora pois! ainda a pesco para aqui, mas, mais logo ris mais um tico e depois? depois devia ser assim por ser surda e não ouvir tudo o que se passava à minha volta, só podia!...mas, eu acabo sempre por aprender de tudo, de tudo um pouco, mas até chegar lá!...Beijinho da laura

     
  • Às 30 de novembro de 2009 às 23:07 , Blogger Andre Moa disse...

    Que magnífica espiritualidade corporal! Ombreia bem com a espiritualidade que rescendia do prato de arroz de tomate com linguado preparado pela mamã. Linguado melhor do que o que a mãe preparava, só mesmo aquele linguado desesperado a querer entrar na boca de dentes cerrados. Aos dezasseis anos!
    Santa ingenuidade, não é, Laurinha!? Mantém-na o mais que puderes, por mais que se riam de ti homens e mulheres sabidos até à quinta geração do «pecado». Por mim, continuo a preferir um bom linguado, sem a dentadura a tapar-me a boca. É tão bom um pecado com sabor a linguado!

     
  • Às 30 de novembro de 2009 às 23:08 , Blogger Andre Moa disse...

    (importado do blogue da Laura Résteas de Sol donde constam os ingredientes abaixo cantados):

    Ai meu d(EU)s que vou chorar!
    Como posso aguentar
    tanta afeição e carinho?
    Mas tenho de me frear,
    já que não posso provar
    sejam bolos, carne ou vinho.

    A Laura, a tentadora,
    amorosa, sedutora,
    pôs-me logo mesa lauta:
    bolo e vela bem acesa,
    champanhe aberto na mesa,
    só falta a minha flauta.

    Sobre o bolo, uma cereja
    capaz de causar inveja
    a qualquer rufia ou moço;
    eu que sou septuagenário
    vou tentar no aniversário
    comer-lhe polpa e caroço.

    E ela é tão vermelhinha!
    Já meio descascadinha,
    vou mesmo experimentar
    trincá-la, mas com jeitinho,
    não vá partir um dentinho,
    a esquelética quebrar.

    Com a Verdinha a cantar,
    o amigo Kim a filmar,
    a Maria aos abraços,
    Ó Laurinha, o que fizeste!
    A exclusividade perdeste
    de rodopiar nos meus braços.

    Mas terás a primazia.
    Neste dia, em qualquer dia,
    tu serás sempre a menina
    dos meus olhos, grande amiga.
    Para ti uma cantiga,
    minha doce bailarina!

     
  • Às 30 de novembro de 2009 às 23:10 , Blogger Andre Moa disse...

    Amigo Kim, desculpa o abuso, sim?:

    Não resisto, por isso aqui transcrevo o que o nosso amabilíssimo amigo Kim pranteou no seu blogue, com foto e tudo. Onde terá sido tirada e por quem? Não sei. Cheira-me a Caldas da Rainha e à arte do Osvaldo. Só sei que não resisto, por vaidade, certamente, mas pela merecidíssima publicidade que faz da minha linda e querida terra natal: Tabuaço. Obrigado, amigo-irmão Kim.

    «29 de Novembro de 2009
    André Moa - sete décadas depois

    André Moa nasceu em Tabuaço, concelho românico e romântico do Douro Vinhateiro, Património Mundial.
    Licenciado em Direito, foi magistrado do Ministério Público, advogado, professor, autarca, técnico superior e dirigente da Segurança Social. É agora escritor, poeta e ... paciente.
    Foi assim que recebi este legado humano de humilde sabedoria.
    André Moa é o pseudónimo de José Guilherme Macedo Fernandes. Nasceu a 29 de Novembro de 1939.
    Hoje, Moa seria sempre notícia, pois completa setenta anos de vida. Mas, Moa será sempre um símbolo de coragem e tenacidade, pela luta que tem travado com o maldito caranguejo que teima em tolhê-lo com suas fortes tenazes.
    Homem extraordinário de simplicidade suprema, esgota a tristeza de quem dele se acerca. Frágil e franzino não denuncia a força que dele emana.
    Mas … dele não importa falar, antes conhecer.
    Meu querido Moa, como eu lamento ter chegado tão tarde a ti!
    À ta joie de vivre! Parabéns!»

    É verdade, amigo Kim!
    Setenta anos. Enfim,
    Sofri muito, mas sou livre.
    Chegaste tarde? Eu também.
    Como a ti, sabe-me bem
    a nossa «joie de vivre).

     
  • Às 30 de novembro de 2009 às 23:11 , Blogger Andre Moa disse...

    Cara Dad, esta quadrinha é para ti:

    Obrigada, cara DAD,
    amiga, cheia de encantos,
    pela tua amizade
    que me enche todos os cantos.

    Bichodeconta, ai bichodeconta,
    quão semelhante ao teu meu estro é!
    Esta nossa atracção pelo faz-de-conta
    Dá-nos vida e saúde. Pois não é?

    Quantas vezes, sei lá, me perdi eu,
    com qualquer novidade em plena rua,
    sair de casa em manhãs de breu
    e regressar só quando ía alta a lua.

    O que é isso, Maria!
    Distância ou cortesia,
    ou relíquia de baú?
    Não gosto dessa cantiga,
    do teu gesto, minha amiga,
    de não me tratares por tu.

    É questão de relicário,
    ou por ser um salafrário
    e me temeres, rapariga?
    Sim, eu sei que sou sacrílego
    mas lê-me bem este epílego:
    és ou não és minha amiga?

    Já mostraste bem que sim,
    ao desejares para mim
    uma vida prolongada.
    Toma conta desta, assenta:
    menos que cento e cinquenta,
    para mim não será nada.

    UM BEIJO TEU, CARLA MAR,
    BEIJO DE ESPUMA SALGADA,
    SEI QUE ME VAI SACIAR,
    NÃO PRECISO DE MAIS NADA.

    Sê bem-vinda, novel amiga!

    Caríssimo Jorge Henriques,
    obrigado pela lembrança.
    Sempre gostei dos teus tiques
    de coragem e de esperança.

    Continua, amigo meu,
    prolonga a nossa viagem,
    que eu vivo muito do teu
    exemplo. Dás-me coragem.

    Brancamar, cá vos espero
    com prazer e alegria,
    já que tu queres e eu quero
    colocar a fala em dia.

    Volto a ti, cara Laurinha,
    pra te informar, grande escriba,
    que a minha querida mãezinha,
    felizmente, ainda é viva.(pronunciar viva com a pronúncia do Norte onde frequentemente se troca o v pelo b).

     
  • Às 1 de dezembro de 2009 às 02:40 , Blogger Maria Soledade disse...

    Caro Amigo Môa
    Já bati à tua porta
    Porque sei que és gente boa...(TAC)

    :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

    Embora meio atrasada
    Soltei aqui a risada
    P'lo seu poema maroto
    Onde tudo estava "torto"!...

    Eu começei pequenita
    A gostar de poesia
    Sempre adorei a escrita
    E minha alma pedia
    Que eu "botasse" no papel
    Tudo aquilo que sentia
    Transformando a dor em mel...

    MUITOS,MUITOS PARABÉNS
    Ser teu amigo é virtude
    Contando os setenta que tens
    Venham mais dez com SAÚDE...

    Beijinhos MUUUAAAHHH******

     
  • Às 1 de dezembro de 2009 às 10:53 , Blogger Maria disse...

    Meu Tarzan

    Tens toda a razão. A nossa amizade merece o tu.
    Por isso, daqui em diante:

    Mim- Maria
    Tu- André

    Beijinho
    Maria (a tua Jane)

     
  • Às 1 de dezembro de 2009 às 11:17 , Blogger Laura disse...

    Mas que grande alegria
    ao ler-te a cantar
    que a tua mãe ainda é viva
    e custa a acreditar.

    Se ela tinha uns 20 anos
    quando te trouxe ao mundo
    então de certezinha
    que já é bem entradinha!

    Por isso me penitêncio
    é que com a tua idade
    não é qualquer um que a tem
    ou possa chamar pela sua mãe!

    Ora viva ou ora biba
    a coisa vai dar ao mesmo
    e aqui a tua escriba
    por vezes é um torresmo. (miolo queimado)

    Gostei de ver por aqui
    uma certa Soledade
    rapariga de bons modos
    cheia de simplicidade.

    Mas o que nós não sabemos
    é que ela quando escreve
    troca o gato por lebre
    e sai filha de almocreve.(pa rimar)

    Tanto volta ela nos dá
    tanto riso nos faz rir
    mesmo que lá por dentro
    nem seja capaz de sorrir.

    Essa foto que o Kim tem
    juraria que já a vi
    num dia a seguir ao encontro
    mandada por alguém. (Osvaldo ora pois)

    Para me fazer inveja
    ao recusar o convite
    para os acompanhar
    ao Museu do Zé Malhoa.

    E assim perdi a oportunidade
    de conhecer a tua cara metade
    e de novo poder ter
    nova oportunidade de vos ver.

    Ai que rica gente aqui tens
    todos destilam amor
    ora diz lá meu amigo se não é caso
    para mandar tocar o tambor!...

    Afazeres chamam por mim
    pois a festa aproxima-se
    e ainda tenho metros para coser
    e outras coisas para fazer.

    Beijinho a todo o pessoal, todo,sem esquecer ninguém, assim, os nomes ficam na alma! e ati, rapaz, aquele abraço bem apertado, como sempre, daqueles desganar... laura

     
  • Às 1 de dezembro de 2009 às 21:23 , Blogger Bichodeconta disse...

    A laura cuida da roupa
    Já não é tarefa pouca
    Vai estafada a pobrezinha
    Vou de gata borralheira
    Vestida á minha maneira
    E pela fada madrinha

    De abóbora será o coche
    Daquela abóbora amarela
    E vou levar p´ra Laurinha
    Uma linda pregadeira (broche)
    Pra lhe enfeitar a lapela.

    De Sapato de tacão
    Pró tango poder dançar
    Saia Rodada plo chão
    Para o Moa a cortejar

    Eu de ténis ou chinelos
    Calça de ganga ou cetim
    Só quero mesmo estar na festa
    E quero que gostem de mim

    Será que o Moa me leva
    Aquela boina do Ché
    Se sim passo-me da "moina"
    Ora dá pra cá a boina
    Canto o fado e grito olé.

    Kim, Osvaldo , Teresa e Ana
    Maria , Verde , e Laurinha
    André Moa e outros mais
    E este bichodeconta
    Que vai fugir se sentir
    Que na festa está a mais.

    Quero a todos abraçar
    A cada um conhecer
    E depois vou semear
    Tudo o que aí aprender.

    Dizem , quem semeia ventos
    Só só pode ter tempestades
    Vamos então estar atentos
    E em vez de semear ventos
    Semeamos só amizades.

    Alto, baixo, gordo ou magro
    Branco , preto ou qualquer cor
    A todos quero abraçar
    Pra ver mais equilibrado
    O mundo em paz e amor.
    Abreijos.

     
  • Às 1 de dezembro de 2009 às 22:28 , Blogger Dad disse...

    Huauhhh!
    Gostei de ler a versalhada que por aqui vai!

    Beijitos a todos(as)e que a próxima semana seja óptima!!!

     
  • Às 2 de dezembro de 2009 às 00:00 , Blogger Andre Moa disse...

    Ò Maria Soledade,
    podes bater à vontade
    na porta cá do rapaz;
    Podes bater-me, se gostas,
    poupa-me apenas as costas,
    sou muito frágil atrás.

    Ó Maria, minha Jane,
    espero que não me engane
    e não me esconda num saco
    ao acordar de manhã
    ao ver que não sou Tarzan,
    que não passo de um macaco.

    Ó Laurinha, é verdade,
    com a bonita idade
    de quase, quase noventa,
    a minha mãe ainda é viva.
    Da vida dura cativa,
    sofreu, sofre,mas aguenta.

    Sim, bichinha, levo a boina,
    mas não te passes da moina,
    que a boina não é do Ché.
    Muito menos dum toureiro,
    paguei-a com o meu dinheiro,
    esta boina minha é.

    Dadinha, até p'rá semana,
    que seja muito bacana,
    pois p´rá semana é que é.
    Que o peixe caia na rede
    Pois Domingo, na Parede,
    será grande o rapapé.

    Poupem-se, para estarmos todos em boa forma, que a coisa promete.
    Isto promete.
    Abreijos
    André Moa

     
  • Às 2 de dezembro de 2009 às 00:59 , Blogger Brancamar disse...

    Hi, tanta coisa para ler, ainda não é desta que ponho a escrita em dia, estou a tratar dos horários do comboio para Domimngo, hihihi e amanha levantar cedinho para trabalhar.
    Beijinhos amigo André.
    Tudo de bom para si para amanhã que já é hoje, dia 2.
    Branca

     
  • Às 2 de dezembro de 2009 às 01:02 , Blogger Brancamar disse...

    No meu computador marca 1h, mas afinal na tua caixa de comentários marca muito menos, ainda é dia 1 - 16h59m, que bom que ainda me vai render o feriado...
    Beijos

     
  • Às 2 de dezembro de 2009 às 09:20 , Blogger Laura disse...

    Andréééééééé´olhó relógioooooooooooooooo
    aqui não se trata de; O DESTINO MARCA A HORA! queremos saber as horas da nossa galderice, olhá Branca que vem sempre tarde e a más horas...ui, cala-te laurinha, agrafa-te, ehhhh, na maior..beijinhos, laura

     
  • Às 2 de dezembro de 2009 às 09:46 , Blogger Laura disse...

    Xiça, penico, chapéu de coco, escrevi um balúrdio de versos e no fim? escafederam-se, rais partam isto!...
    vou tentar de novo, irra, o dia começou mal aqui, mas, nada que não se resolva...

    vou agora pró salão
    não de dança mas da tesoura
    vou mudar de visual
    não tarda torno-me loura!

    Eu já não durmo de noite
    pois deito-me a pensar
    que a todos eu vou ver
    e a todos vou abraçar!

    E de manhã dou comigo
    a pensar se dormi ou sonhei
    ou se apenas não me lembrei
    que com o João Pestana me deitei!

    Ouvi dizer que precisavas
    de quem te guardasse as costas
    e se me queres dar prazer
    colo-me a ti, de costas!

    Pois eu nunca iria deixar
    que alguém te partisse ao meio
    se magro tu já és tanto
    ficavas sem espaço pra maneio!

    A tua boina estava connosco
    naquela dança na rua
    e como muito bem disseste
    pagaste-la, logo é tua!

    E agora me despeço
    cuidando de copiar
    o que escrevi sem colar
    senão de novo vai tudo ao ar!

     
  • Às 2 de dezembro de 2009 às 21:00 , Blogger Bichodeconta disse...

    Boa noite meretissímo Dr Macedo Fernandes,(Não vale zangar com o bicho de conta)Hoje era dia de notícias, e claro, tinha de passar por aqui e porque o assunto é deveras perverso, tão pouco me atrevo a escrever em verso.Deixo um abraço de ternura extensível á D. Teresa sua esposa.Espero não estar a trocar as esposas ehehehe. Mas não certamente, Ana é a cara metade do nosso grande Osvaldo. Amanhã voltarei e quem sabe a coragem já permitiu deixar as notícias. O Deus no qual não acredito não ia pregar-nos uma partida em quadras Natalícias. Abreijos.

     
  • Às 2 de dezembro de 2009 às 23:05 , Blogger Andre Moa disse...

    Bichodeconta, se tu
    tiras doutores do baú,
    me tratas com cerimónia,
    não queres tu que eu me zangue?
    Que queres então, minha linda?
    Não te mereço ainda
    um tu? Não? Preferes que eu mangue?

    Tu cá, tu lá, não será melhor, mais bonito, mais adequado entre pessoas que tanto se estimam e tão abertamente se mimoseiam? Eu acho que sim.
    POR MIM, NÃO ABDICO.VIVA O TU CÁ, TU LÁ! VIVA!
    Abreijos
    André Moa





















    hos.
    Que pensa esse bardamija?
    Sou homem de barba rija,

     
  • Às 3 de dezembro de 2009 às 11:15 , Blogger Bichodeconta disse...

    Tu cá tu lá meu amigo
    Mas foi assim que saiu
    Estamos todos em tensão
    Mas estou de acordo contigo
    Adré tu és meu amigo
    Já estás no meu coração
    Abreijos.

     

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial

 
Que cantan los poetas andaluces de ahora...