SEJAM MUITO BEM VINDOS A ESTE BLOG!--------ENA!-- TANTOS LEITORES DO MEU BLOG QUASE DIÁRIO! ---ESTA FOTO É UMA VISTA AÉREA DA MINHA TERRA,-TABUAÇO! UM ABRAÇO PARA CADA UM DE VÓS! -ANDRÉ MOA-

segunda-feira, 26 de abril de 2010

CICLO EMOÇÃO

DÁDIVA MÚTUA

Abre os braços e agarra
O que te dou
Sem a urgência
De dádivas passadas.
É do poeta que, cansado,
Descansou
De longas caminhadas...
Levantei-me para começar
Um novo poema,
Mas em vão.
Desconsolado, constato
Que estou mais para receber
Que para dar...
Qual a razão?
Ela está no facto
Das rosas que amei
Terem murchado...
Mas grato te bendigo,
Quando contigo
Passo do meu inverno gelado
À Primavera em que te encontrei!

SOFRIMENTO OCULTO

Quando acabar,
Hei-de voltar
Rápido
E aperceber-me onde falhei.
Agora, obtusa a inteligência,
Já só entendo a premência
Em não continuar
Quixotescamente!
Em asmática ânsia
No sofrimento,
Obrigo-me a encobrir
O meu tormento,
Por este desencontro
Com o mundo,
No sorriso que vês
Quando te encontro...

Ernesto Leandro

12 Comentários:

  • Às 26 de abril de 2010 às 21:34 , Blogger Paixão Lima disse...

    Irmão Ernesto (o desencantado),
    Dádiva mútua é o dar e o receber. «Das rosas que amei terem murchado...». Quando o amor é verdadeiro, as rosas nunca murcham. Pensas que não amas e que as rosas murcharam. Só isso...
    Sofrimento oculto.
    Não finjas, Irmão! Não provoques o sorriso. Se te custa ocultar o sofrimento, então chora Ernesto, que só os homens choram e chorar faz bem. E então, chorar de amor...
    Como são dois lindos Poemas, embora doloridos, tens direito a dois abraços.
    Recebe-os lá, que não recebes grande coisa.
    Do mau António, o péssimo, o teu irmão.

     
  • Às 27 de abril de 2010 às 11:07 , Anonymous Anónimo disse...

    Irmão António.

    "Com a sala vazia", como escreveste há tempos, venho agradecer o teu comentário. O que eu quis transmitir nos meus poemas não foi interpretado, em parte, por ti. Mas daí não vem mal ao mundo.

    A amizade verdadeira sobreleva a subjectividade poética. E eu sinto-me honrado
    e faço questão em retribui-la ainda com mais força. Como vês, tu é que és o meu "enlevo"...

    Aquele abraço de sempre.

    Ernesto Leandro

     
  • Às 27 de abril de 2010 às 12:52 , Anonymous Anónimo disse...

    André Moa, irmão

    No ciclo anterior, o último comentário era teu.

    Pensava eu que a obra asseada do blog fosse uma solidariedade partilhada e não um cumprimento do dever. Mas haveremos de ter oportunidade de falar sobre isso, irmão.

    Um grande abraço de muita amizade e consideração.

    Ernesto Leandro

     
  • Às 27 de abril de 2010 às 14:59 , Blogger Maria disse...

    Lindos, tão lindos os poemas, Ernesto. Comoveu-me, encantou-me, preocupou-me. Que desencanto é esse, amigo? Pelo menos, fez com que escrevesse dois belos poemas. Já foi alguma coisa.
    Força e beijinhos
    Maria

     
  • Às 27 de abril de 2010 às 16:13 , Blogger Andre Moa disse...

    Pensavas tu, caro irmão Ernesto,que a obra asseada do blog fosse uma solidariedade partilhada e não um cumprimento do dever. E pensavas bem. Nada neste blogue se pode confundir com o cumprimento de uma imposição, mas sim como um rasgo expontâneo de solidariedade, partilhada, evidentemente, pois que só a solidariedade partilhada será uma autêntica e verdadeira solidariedade. A meu ver, a solidariedade implica deveres muito mais irrecusáveis, porque mais nobres e mais livremente satisfeitos, do que qualquer lei ou regulamento. Dever cumprido não como qualquer coisa feita porque a isso estamos compelidos, mas porque para isso nos sentimos gostosa e livremente impulsionados, impelidos. Será caso para dizer: solidariedade a quanto obrigas. A solidariedade nada impõe, tudo sugere. E dar à luz dois poemas intimistas como os teus e expô-los à luz do dia para regalo dos leitores, fazer e mostrar obra asseada deve-nos deixar não vaidosos mas envaidecidos pelo dever cumprido de partilhar a nossa arte, em solidariedade para com todos e por amor à arte, à beleza, à verdade.
    Um abração, irmão.
    André Moa

     
  • Às 27 de abril de 2010 às 16:25 , Blogger Paixão Lima disse...

    Querida Maria,
    Sabe que o seu comentário aos poemas do meu Irmão, me sensibilizou?! Fiquei até, com uma lagriminha no canto dos olhos. Fiquei mesmo tonto, o que não admira.
    «Comoveu-me, encantou-me, preocupou-me».
    A Maria é real, ou é a Maria com quem se sonha, porque não existe?! Uma Maria assim, é uma jóia rara. Uma bela e linda alma de mulher, toda sensibilidade, toda ternura.
    Apareça mais vezes Maria, porque o subtil perfume dos seus comentários, é necessário no salão do Moa.
    Beijinho para si, Maria.

     
  • Às 27 de abril de 2010 às 18:36 , Blogger Bichodeconta disse...

    Bem, de volta por aqui, fico feliz por saber que estão escrevendo, comentando, se contactando , e isso é de facto o que importa. A amizade e o amor são imperativo numero um para que possamos vever nesta selva.. Deixo um abraço , onde enlaço todos e cada um, e deixo a promessa de voltar rápido..Gosto de vosler..E gosto de saber de ti Moa amigo, gente amiga.. Abreijos, Ell

     
  • Às 27 de abril de 2010 às 19:30 , Blogger Andre Moa disse...

    Cara Bichodeconta, que bom ver-te por estas paragens. Isto entre irmões, é como os limões: sempre que se espreme, sempre deita qualquer sumo. e com água, então, faz cá uma limonada! E é bom para a tosse. Não te rales com isso, que nós também não. E já estamos habituados e calejados.Discussões à parte, sempre irmãos como os que o são.
    Abreijos,
    André Moa

     
  • Às 27 de abril de 2010 às 19:45 , Blogger Laura disse...

    Ai, e ando eu a suspirar por quem escreva assim por mim e...o Ernesto deita palavras ao vento que nós captamos toda a sua essência!...
    Belissimo Ernesto, quando pensamos que a pena não desliza no papel, o pensamento cavalga num tropel desenfreado e saem palavras almejadas, palavras presas na alma que não podem nem devem ser guardadas...

    Aquele abraço apertadinho..
    Ai porque não encontro o meu poeta, ai porque os poetas são cegos e vesgos também (assim como eu ehhhhhh)nada de ler noutro sentido é sme maldade...vá lá..laura

     
  • Às 27 de abril de 2010 às 20:22 , Anonymous DAD disse...

    Olá querido Ernesto!
    Como sempre poemas que fazem aflorar as lágrimas aos olhos.
    Muitooooooooooooobelo!!!!!!!!!!

    Bjinhos,

     
  • Às 28 de abril de 2010 às 16:00 , Anonymous Anónimo disse...

    Queridas Amigas, caros Amigos-

    A mudança de ciclo está por horas e eu corro a penitenciar-me por estes abortos de poemas que leram. Mesmo assim, a vossa habitual generosidade deixou-me sem palavras e envergonhado. Bem-hajam, amigas e amigos. Até à próxima. Até lá, tudo de bom para todos.

    Abeijos.

    Ernesto Leandro

     
  • Às 28 de abril de 2010 às 17:46 , Blogger Laura disse...

    Ernesto; nem digas tal..que abortos?
    ah, não, não são abortos os teus poemas são uma sinfonia de palavras que nos chegam ao coração!

    Continua, escrever ajuda a mente a reequilibrar a sabedoria de por no papel sentimentos profundos, libertas a alma,adoças o coração e sentes a vida fluir...
    Aquele abraço da laura

     

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial

 
Que cantan los poetas andaluces de ahora...